Websites | Serviços | Webmail | Ferramentas | Área reservada

Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional
Título:  Conceptualização dos cuidados de enfermagem à pessoa com deglutição comprometida após o acidente vascular cerebral
Autores:  Isabel de Jesus Oliveira; Susana Isabel Faria de Almeida; Liliana Andreia Neves da Mota; Germano Rodrigues Couto
Orientadores: 
Recebido para publicação:  2020-02-17
Aceite para publicação:  2020-09-12
Secção:  ARTIGO DE INVESTIGAÇÃO (ORIGINAL)/RESEARCH ARTICLE (ORIGINAL)
Ano:  2020
DOI:  10.12707/RV20024
Facebook Twitter LinkedIn

Resumo
Enquadramento: O compromisso na deglutição é uma condição clínica que afeta um número significativo de pessoas com acidente vascular cerebral (AVC). As suas complicações estão entre as principais causas de morte após o AVC, apesar de não ser considerada como causa de mortalidade.
Objetivo: Compreender como os enfermeiros concetualizam os cuidados de enfermagem à pessoa com deglutição comprometida após o AVC.
Metodologia: Estudo exploratório e descritivo, realizado num serviço de internamento de um centro de reabilitação, usando a técnica de focus group e observação participante, durante o período de abril a julho de 2019.
Resultados: Vários fatores influenciam o processo de tomada de decisão em enfermagem, resultando em práticas assentes na lógica da intervenção interdependente. Nas terapêuticas de enfermagem identificam-se constrangimentos na documentação das práticas. Salienta-se o foco na pessoa e família e o seu envolvimento no processo de cuidados.
Conclusão: Existem aspetos organizacionais que influenciam negativamente a conceção dos cuidados. Reforça-se a necessidade de melhorar a documentação das terapêuticas de enfermagem.

Palavras-chave
acidente vascular cerebral; deglutição; cuidados de enfermagem
Abreu, W., Barroso, C., Segadães, M., & Teixeira, S. (2015). Promotion of self-care in clinical practice: Implications for clinical supervision in nursing. International Journal of Information and Education Technology, 5(1), 6-9. doi:10.7763/IJIET.2015.V5.466
Abu-Snieneh, H., & Saleh, M. (2018). Registered nurse’s competency to screen dysphagia among stroke patients: Literature review. The Open Nursing Journal, 12, 184-194. doi:10.2174/1874434601812010184
Aiken, L., Cimiotti, J., Sloane, D., Smith, H., Flynn, L., & Neff, D. (2011). Effects of nurse staffing and nurse education on patient deaths in hospitals with different nurse work environments. Medical Care, 49(12), 1047-1053. doi:10.1097/MLR.0b013e3182330b6e
Bath, P., Sean, H., & Everton, L. (2018). Swallowing therapy for dysphagia in acute and subacute stroke. Cochrane Database of Systematic Reviews, 10, CD000323. doi:10.1002/14651858.CD000323.pub3
Benner, P. (2001). De iniciado a perito. Coimbra, Portugal: Quarteto.
Carapinheiro, G. (1998). Saberes e poderes no hospital. Porto, Portugal: Edições Afrontamento.
Charmaz, K. (2006). Constructing grounded theory: A practical guide through qualitative analysis. London, England: Sage. Chinn, P., & Kramer, M. (2015). Knowledge development in nursing: Theory and process (9th ed.). St. Louis, MO: Elservier Mosby.
Cohen, D., Roffe, C., Beavan, J., Blackett, B., Fairfield, C. A., Hamdy, S., . . . Bath, P. M. (2016). Post-stroke dysphagia: A review and design considerations for future trials. International Journal of Stroke, 11(4), 399-411. doi:10.1177/1747493016639057
Decreto-Lei n.º 161/96, de 4 de Setembro. Diário da República nº 205 - I Série. Ministério da Saúde. Lisboa, Portugal.
Freitas, M., & Parreira, P. (2013). Dotação segura para a prática de enfermagem: Operacionalidade do conceito e o seu impacto nos resultados. Revista de Enfermagem Referência, 3(10), 171-178. doi:10.12707/RIII12125
GBD 2016 Stroke Collaborators. (2019). Global, regional, and national burden of stroke, 1990-2016: A systematic analysis for the Global Burden of Disease Study 2016. The Lancet Neurology, 18(5), 439-458. doi:10.1016/S1474-4422(19)30034-1
Hines, S., Kynoch, K., & Munday, J. (2016). Nursing interventions for identifying and managing acute dysphagia are effective for improving patient outcomes: A systematic review update. Journal of Neuroscience Nursing, 48(4), 1-9. doi:10.1097/JNN.0000000000000200
Kuiper, R., O’Donnell, S., Pesut, D., & Turrise, S. (2017). The essentials of clinical reasoning for nurses: Using the outcome-present state-model for reflective practice. Indianapolis, Brasil: Sigma Theta Tau International.
Melnyk, B., Gallagher-Ford, L., & Fineout-Overholt, E. (2017). Implementing the evidence-based practice (EBP) competencies in healthcare: A practical guide for improving quality, safety and outcomes.
Indianapolis, Brasil: Sigma Theta Tau International. Nibbelink, C., & Brewer, B. (2018). Decision-making in nursing practice: An integrative literature review. Journal of Clinical Nursing, 27(5-6), 917–928. doi:10.1111/jocn.14151
Oliveira, I., Couto, G., & Mota, L. (2019). Terapêuticas de enfermagem na pessoa com deglutição comprometida após acidente vascular cerebral. Revista de Enfermagem Referência, 4(23), 133-140. doi:10.12707/RIV19057
Ordem dos Enfermeiros. (2012). Padrões de qualidade dos cuidados de enfermagem: Enquadramento conceptual: Enunciados descritivos. Lisboa, Portugal: Autor. Recuperado de https://www.ordemenfermeiros.pt/media/8903/divulgar-padroes-de-qualidade-dos-cuidados.pdf
Sørensen, R. T., Rasmussen, R. S., Overgaard, K., Lerche, A., Johansen, A. M., & Lindhardt, T. (2013). Dysphagia screening and intensified oral hygiene reduce pneumonia after stroke. Journal of Neuroscience Nursing, 45(3), 139-146. doi:10.1097/JNN.0b013e31828a412c
Standing, M. (2014). Clinical judgement and decision-making for nursing students (2nd ed.). London, England: Sage.
Texto integral
Total: 0 registo(s)
REF_oct2020_e20024_port.pdf
REF_oct2020_e20024_eng.pdf


[ Detalhes da edição ]