Websites | Serviços | Webmail | Ferramentas | Área reservada

Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional
Título:  Carga de trabalho numa unidade de internamento hospitalar de acordo com o Nursing Activities Score
Autores:  Camila Pinno; Carlie da Fontoura Taschetto; Etiane de Oliveira Freitas; Lenize Moura Nunes; Jennifer Aguilar Leocadio de Menezes; Karen Emanueli Petry; Silviamar Camponogara
Orientadores: 
Recebido para publicação:  2020-04-17
Aceite para publicação:  2020-10-02
Secção:  ARTIGO DE INVESTIGAÇÃO (ORIGINAL)/RESEARCH ARTICLE (ORIGINAL)
Ano:  2020
DOI:  10.12707/RV20047
Facebook Twitter LinkedIn

Resumo
Enquadramento: A elevada carga de trabalho pode estar associada à complexidade clínica dos doentes e à longa permanência na unidade, constituindo um tratamento de enfermagem frequentemente baseado em cuidados semi-intensivos.
Objetivo: Avaliar a carga de trabalho de uma equipa de enfermagem de uma unidade de internamento através do Nursing Activities Score (NAS).
Metodologia: Estudo exploratório, transversal, quantitativo, realizado com doentes internados numa unidade de internamento hospitalar. A forma de caracterização composta por dados sociodemográficos, clínicos e o NAS foi usada para recolher dados de registos documentados de cuidados de enfermagem.
Resultados: O NAS médio foi de 43,2, variando de 59,0 e 54,1 ao primeiro dia e no último dia de internamento, respetivamente, e este é o tempo médio que um doente necessita de um enfermeiro. Além disso, os pacientes que acabaram por morrer e aqueles que mostraram cultura positiva para germes multirresistentes tiveram médias de NAS mais altas no último dia.
Conclusão: A carga de trabalho da equipa de enfermagem é elevada, evidenciada pela elevada procura de cuidados.

Palavras-chave
carga de trabalho; cuidados de enfermagem; enfermagem; unidades hospitalares
Camuci, M. B., Martins, J. T., Cardeli, A. A., & Robazzi, M. L. (2014). Nursing activities score: Carga de trabalho de enfermagem em unidade de terapia intensiva de queimados. Revista Latino-Americana de Enfermagem, 22(2), 325-331. doi:10.1590/0104-1169.3193.2419
Conselho Federal de Enfermagem. (2017). Resolução cofen 543/2017. Recuperado de http://www.cofen.gov.br/resolucao--cofen-5432017_51440.html
Costa, A. C., Gularte, C. M., Oliveira, C. P., Castro, E .M., Leonardo, R. S., Cola, C. S., ... Boechat, J. C. (2018). Diabetes e hipertensão arterial sistemica como fator de risco em pacientes acometidos com acidente vascular cerebral na comunidade do Surubi – Itaperuna-RJ. Revista Interdisciplinar Pensamento Científico, 4(2), 299-305. doi: 10.20951/2446-6778/v4n3a27
Fugulin, F. M., Gaidzinski, R. R., & Castilho, V. (2010). Dimensionamento de pessoal de enfermagem em instituições de saúde. Rio de Janeiro, Brasil: Guanabara Koogan.
Goulart, L. L., Carrara, F. S., Zanei, S. S., & Whitaker, I. Y. (2017). Carga de trabalho de enfermagem relacionada ao indice de massa corporal de pacientes criticos. Acta Paulista de Enfermagem, 30(1), 31-8. doi: 10.1590/1982- 0194201700006 Ministerio da Saude. (2012). Resolução nº 466, de 12 de dezembro de 2012. Recuperado de https://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/cns/2013/res0466_12_12_2012.html
Oliveira, P. M., Nakahata, K. S., & Marques, I. R. (2019). Avaliacao da demanda de intervencoes de enfermagem em terapia intensiva segundo o Nursing Activities Score (NAS). Revista Eletrônica Acervo Saúde, 11(10), e453. doi:10.25248/reas.e453.2019
Queijo, A. F. (2008). Estudo comparativo da carga de trabalho de enfermagem em unidades de terapia intensiva geral e especializadas, segundo o Nursing Activities Score (NAS) (Tese de doutoramento).
Universidade de Sao Paulo, Brasil. doi:10.11606/T.7.2008.tde-11032008-112124
Queijo, A. F., & Padilha, K. G. (2009). Nursing Activities Score (NAS): Adaptacao transcultural e validacao para a lingua portuguesa. Revista da Escola de Enfermagem da Universidade de São Paulo, 43(n. esp), 1018-1025. doi:10.1590/S0080-62342009000500004
Reich, R., Vieira, D. F., Lima, L. B., & Rabelo-Silva, E. R. (2015). Carga de trabalho em unidade coronariana segundo o Nursing Activities Score. Revista Gaúcha de Enfermagem, 36(3), 28-35. doi:10.1590/1983- 1447.2015.03.51367
Santos, D. S., Marques, C. R., Monteiro, J. B., Carvalhal, K. S., & Santos, E. S. (2019). Avaliação da carga de trabalho de enfermeiros em uma unidade de terapia intensiva particular. Recuperado de https://eventos.set.edu.br/index.php/cie/article/view/11478/4460
Sherman, L. D., Patterson, M. S., Tomar, A., & Wigfall, L. T. (2020). Use of digital health information for health information seeking among men living with chronic disease: Data from the Health Information National Trends Survey. American Journal of Men’s Health, 14(1), 1-9. doi:10.1177/1557988320901377
Silva, B. L., & Gaedke, M. A. (2019). Nursing Activites Score: Avaliando a carga de trabalho de enfermagem no cuidado intensivo. Revista Enfermagem Atual, 27(88), 1-7. doi:10.31011/reaid-2019-v.89-n.27-art.380
Silva, J. B., Moreira, S. D., Apolinario, P. P., Vieira, A. P., Simmelink, V. L., Secolo, S. R., & Padilha, K. G. (2017). Carga de trabalho de enfermagem em unidade de internacao de onco-hematologia. Enfermería Global, 48. doi:10.6018/eglobal.16.4.259151
Silva, R. L., Ribeiro, M. A., & Azevedo, C. C. (2018). Concepcoes sobre o processo de alta hospitalar: Uma revisao critica. Tempus Actas de Saúde Coletiva, 12(1), 135-146. doi:10.18569/tempus.v10i4.1975
Siqueira, E. M., Ribeiro, M. D., Souza, R. C., Machado, F.S., & Diccini, S. (2015). Correlacao entre carga de trabalho de enfermagem e gravidade dos pacientes criticos gerais, neurologicos e cardiologicos. Escola Anna Nery Revista de Enfermagem, 19(2), 233-238. doi: 0.5935/1414-8145.20150030
Taschetto, C. F., Freitas, E. O., Pinno, C., Cunha, Q. B., Pereira, V. V., & Coelho, M. S. (2018). Carga de trabalho da equipe de enfermagem em unidade de clinica medica. In S. Camponogara, R. M. Silva, C. Pinno, T. Mello, T. Brutti & D. Moreira (Orgs), Anais do IV Seminário de Saúde do Trabalhador: O trabalho na contemporaneidade (p. 54) Recuperado de https://www.ufsm.br/cursos/pos-graduacao/santa-maria/ppgenf/2019/02/25/anais-iv--seminario-de-saude-do-trabalhador/
Trettene, A. S., Luiz, A. G., Razera, A. P., Maximiano, T.O ., Cintra, F. M., & Monteiro, L. M. (2015). Carga de trabalho de enfermagem em unidade de terapia semi-intensiva especializada: Criterios para dimensionamento de pessoal. Revista da Escola de Enfermagem da Universidade de São Paulo, 49(6), 960-966. doi:10.1590/S0080-623420150000600012
Texto integral
Total: 0 registo(s)
REF_nov2020_e20047_port.pdf
REF_nov2020_e20047_eng.pdf


[ Detalhes da edição ]