Websites | Serviços | Webmail | Ferramentas | Área reservada

Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional
Título:  Vivências dos adolescentes com doença hemato-oncológica na fase diagnóstica: estudo de cariz fenomenológico
Autores:  Sónia Maria de Matos Figueira; Manuel Gonçalves Henriques Gameiro
Orientadores: 
Recebido para publicação:  2020-05-04
Aceite para publicação:  2020-10-26
Secção:  ARTIGO DE INVESTIGAÇÃO (ORIGINAL)/RESEARCH ARTICLE (ORIGINAL)
Ano:  2020
DOI:  10.12707/RV20058
Facebook Twitter LinkedIn

Resumo
Enquadramento: As doenças hemato-oncológicas representam uma importante causa de morbilidade e mortalidade para os adolescentes, pelo que exigem cuidados de enfermagem positivamente diferenciadores e dirigidos.
Objetivos: Compreender as vivências dos adolescentes com doença hemato-oncológica na fase diagnóstica.
Metodologia: Investigação empírica de tipo qualitativo, de cariz fenomenológico interpretativo (método processual de Giorgi). Foram entrevistados 9 adolescentes portugueses, em tratamento na unidade de oncologia pediátrica.
Resultados: Emergiram 3 temas centrais relativos ao fenómeno (antecipando doença grave; confrontando-se com notícia do diagnóstico e entrando na doença como contingência existencial).
Conclusão: Os adolescentes vivenciam a doença oncológica de forma particular, devido à sua fase de desenvolvimento; percebem o diagnóstico como ameaça aos seus planos e sonhos; confrontam-se com a contingência pessoal e a ameaça de finitude antecipada. Importa que os profissionais de saúde cuidem dos adolescentes de forma ajustada a cada momento identificado na sequência vivencial e que os incentivem a expressarem os seus estados e expectativas, de modo a ajudá-los a integrar proativamente a sua doença na vida quotidiana.

Palavras-chave
enfermagem pediátrica; enfermagem oncológica; adolescente; diagnóstico; acontecimentos que mudam a vida
Azevedo, A. (2010). Processo de transição do adolescente hospitalizado numa unidade de adolescentes (Dissertação de mestrado). Universidade do Porto, Instituto de Ciências Biomédicas de Abel Salazar, Portugal. Recuperado de https://repositorio-aberto.up.pt/bitstream/10216/26622/2/Processo%20de%20transio%20do%20adolescente%20hospitalizado%20numa%20Unidade%20de%20Adolescentes.pdf
Barros, S. (2008). O contributo do enfermeiro no processo adaptativo do adolescente e a uma doença oncológica (Dissertação de mestrado). Instituto de Ciências Biomédicas Abel Salazar, Porto, Portugal. Recuperado de https://repositorio-aberto.up.pt/bitstream/10216/7184/2/trabalho20finalSC3B3nia20C.pdf
Cardoso, C., Feres-Carneiro, T., & Giovanetti, J. (2009). Um estudo fenomenológico sobre a vivência de família em uma comunidade popular. Psicologia: Ciência e Profissão, 29(4),780-795. Recuperado de http://www.scielo.br/pdf/pcp/v29n4/v29n4a10.pdf
Carvalho, J., Sá, A., Preto, C., Ferreira, N., & Gaspar. E. (2013) Os Adolescentes na Consulta e no Internamento. In Secção de Medicina do Adolescente (Org). Boletim Adolescentes e Adolescência. (pp. 4-10). Lisboa: Sociedade Portuguesa de Pediatria. Recuperado de https://www.spp.pt/UserFiles/file/Seccao_Medicina_Adolescente/Boletim_SPMA_Dez_2013.pdf
Chien, C.-H., Chang, Y.-Y., & Huang, X.-Y. (2018). The Lived Experiences of Adolescents With Cancer: A Phenomenological Study. Clinical Nursing Research, 29(4), 217–225. Doi: 10.1177/1054773818799226
Corradini, N., Laurence, V., Dreno, L., Picherot, G., & Marec-Berard P. (2011). Adolescents et cancer: Une prise en charge spécifiquepour ne plus être lost in transition. Oncologie, 13(4), 157-164. doi:10.1007/s10269-011-2003-2
Direção-Geral da Saúde. (2015). Portugal: Doenças oncológicas em números. Recuperado de https://www.dgs.pt/estatisticas-de-saude/estatisticas-de-saude/publicacoes/portugal-doencas-oncologicas-
-em-numeros-2015-pdf.aspx
Direção-Geral da Saúde. (2018). Saúde infantil e juvenil: Portugal. Recuperado de https://www.dgs.pt/portal-da-estatistica-da-saude/diretorio--de-informacao/diretorio-de-informacao/por-serie-1007690-pdf.aspx?
v=%3d%3dDwAAAB%2bLCAAAAAAABAArySzItzVUy81Ms-TU1MDAFAHzFEfkPAAAA
Fonseca. A., & Lopes, M. (2012). Representações sociais de cancro construídas por estudantes de enfermagem. Recuperado de http://rdpc.uevora.pt/bitstream/10174/6845/1/CIRS2012-RSCancro.pdf
Gameiro. M. (2012). Adaptação dos adolescentes com cancro na fase de tratamento: Uma revisão da literatura. Revista de Enfermagem Referência, 3(8),135-146. doi:10.12707/RIII1273
Giorgi, A., & Sousa, D. (2010). Método fenomenológico de investigação em psicologia. Lisboa, Portugal: Fim de século.
Jesus, A. (2012). Pacientes com patologias reumáticas: Estudo desenvolvimentista das significações dos doentes sobre a doença, e estudo de intervenção com metodologia sugestiva para o aumento do controlo da sintomatologia percebida (Tese de doutoramento). Universidade de Lisboa, Faculdade de Psicologia, Portugal. Recuperado de https://repositorio.ul.pt/bitstream/10451/7384/1/ulsd064065_td_capa.pdf
Melo, A., Caires, S., Machado, M., & Pimenta, R. (2013). Pediatria oncológica: O olhar dos profissionais hospitalares em torno das vivências das crianças, adolescentes e seus pais. Indagatio Didactica, 5(2), 262-272. doi:10.34624/id.v5i2.4354
Rezende, A., Schall, V., & Modena, C. (2011). O câncer na adolescência: Vivenciando o diagnóstico. Psicologia: Teoria e Prática, 13(3), 55-66. Recuperado de http://pepsic.bvsalud.org/pdf/ptp/v13n3/v13n3a05.pdf
Roreno. (2016). Registo Oncológico Nacional 2010. Porto: Instituto Português de Oncologia do Porto Francisco Gentil - EPE. Recuperado de https://www.roreno.com.pt/images/stories/pdfs/ro_nacional_2010.pdf;
Santos, V. (2013). Representações de senso comum e autogestão da doença oncológica: Revisão sistemática da literatura (Dissertação de mestrado). Universidade do Porto, Instituto de Ciências Biomédicas de
Abel Salazar, Portugal. Recuperado de https://sigarra.up.pt/icbas/en/pub_geral.pub_view?pi_pub_base_id=30592
Seattle Children’s Hospital. (2014). Cancer treatment for teens and young adults. Recuperado de http://www.seattlechildrens.org/clinics-programs/cancer/services/adolescent-young-adult-program/
Sisk, B. A., Canavera, K., Sharma, A., Baker, J. N., & Johnson, L.-M. (2019). Ethical issues in the care of adolescent and young adult oncology patients. Pediatric Blood & Cancer, 66(5), e27608. doi:10.1002/pbc.27608
World Medical Association. (2017). Anexe 2: Declaration of Taipei on ethical considerations regarding health databases and biobanks. Journal International de Bioéthique et d’Éthique des Sciences, 28(3),
113-117. doi:10.3917/jib.283.0113
World Health Organization. (2018). Strategic guidance on accelerating actions for adolescent health in South-East Asia region: 2018–2022. Recuperado de http://origin.searo.who.int/entity/child_adolescent/
topics/adolescent_health/978-92-9022-647-5/en/
Texto integral
Total: 0 registo(s)
REF_nov2020_e20058_port.pdf
REF_nov2020_e20058_eng.pdf


[ Detalhes da edição ]