Websites | Serviços | Webmail | Ferramentas | Área reservada

Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional
Título:  Motivações para a experiência transicional das estudantes do curso de especialização em enfermagem
Autores:  Rosana Maria de Oliveira Silva; Josicelia Dumêt Fernandes; Maria Deolinda Antunes Luz Lopes Dias Maurício; Lázaro Souza da Silva; Gilberto Tadeu Reis da Silva; Ana Lúcia Arcanjo Oliveira Cordeiro
Orientadores: 
Recebido para publicação:  2020-02-10
Aceite para publicação:  2020-11-02
Secção:  ARTIGO DE INVESTIGAÇÃO (ORIGINAL)/RESEARCH ARTICLE (ORIGINAL)
Ano:  2020
DOI:  10.12707/RV20021
Facebook Twitter LinkedIn

Resumo
Enquadramento: A experiência transicional de especialistas de enfermagem ocorre por meio de mudanças intencionais motivadas pela possibilidade de qualificar o exercício profissional.
Objetivo: Analisar as motivações para a experiência transicional das egressas do curso de especialização em enfermagem de um município do Nordeste do Brasil.
Metodologia: Estudo transversal e exploratório realizado com 40 enfermeiras egressas do curso de especialização em enfermagem na modalidade de residência. Para a colheita dos dados foi utilizada a técnica de entrevista semiestruturada com roteiro norteador. Os dados obtidos foram analisados à luz da análise de conteúdo.
Resultados: O estudo possibilitou a construção da categoria motivações para a experiência transicional, que discute as motivações para a experiência transicional, o que resultou em três subcategorias temáticas - necessidade de aprofundar o conhecimento e vivenciar a prática; insuficiência da graduação; e experiência prévia em cenários de prática.
Conclusão: A realização do curso de especialização é uma experiência transicional motivada pelas possibilidades de qualificar o exercício profissional de enfermeiras.

Palavras-chave
educação de pós-graduação em enfermagem; especialização; enfermagem
Atkinson, R., & Flint, J. (2001). Accessing hidden and hard-to-reach populations: Snowball research strategies. Social Research UPDATE, 33, 1-4. Recuperado de http://sru.soc.surrey.ac.uk/SRU33.pdf
Bardin, L. (2009). Análise de conteúdo (5ª ed.). Lisboa, Portugal: Edições 70.
Cline, D., La Frentz, K., Fellman, B., Summers, B., & Brassil, K. (2017). Longitudinal outcomes of an institutionally developed nurse residency program. Journal of Nursing Administration, 47(7–8), 384–390. doi:10.1097/NNA.0000000000000500
Fernandes, J. D., Silva, R. M., Teixeira, G. A., Florêncio, R. M., Silva, L. S., & Freitas, C. M. (2020). Educação em enfermagem: Mapeamento na perspectiva de transformação. Revista Brasileira de Enfermagem, 73(3), e20180749. doi:10.1590/0034-7167-2018-0749
Jesus, I. S., Sena, E. L., Souza, L. S., Pereira, L. C., & Santos, V. T. (2015). Vivências de estudantes de graduação em enfermagem com a ansiedade. Revista Enfermagem UFPE Online, 9(1), 149-157. doi:10.5205/reuol.6817-60679-1-ED.0901201521
Leal, L. A., Soares, M. I., Silva, B. R., Bernardes, A., & Camelo, S. H. (2018). Clinical and management skills for hospital nurses: Perspective of nursing university students. Revista Brasileira de Enfermagem, 71(sup. 4), 1514-1521. doi:10.1590/0034-7167-2017-0452
Meleis, A. I. (2017). Theoretical nursing: Development and progress (6th ed.). Philadelphia, PA: Wolters Kluwer Health.
Conselho Nacional de Edução, Câmara de Educação Superior. (2001). Resolução CNE/CES nº 3, de 07 de novembro de 2001: Institui diretrizes curriculares nacionais do curso de graduação em enfermagem. Recuperado de http://www.cofen.gov.br/wp-content/uploads/2012/03/resolucao_CNE_CES_3_2001Diretrizes_Nacionais_Curso_Graduacao_Enfermagem.pdf
Ministério da Saúde, Conselho Nacional de Saúde. (2012). Resolução nº 466, de 12 de dezembro de 2012: Aprova as diretrizes e normas regulamentadoras de pesquisas envolvendo seres humanos. Recuperado de https://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/cns/2013/res0466_12_12_2012.html
Oliveira, E. B., Carvalho, R. A., Teixeira, E., Zeitoune, R. C., Sabóia, V. M., & Gallasch, C. H. (2017). Factors involved in the training of resident nurses: View of alumni from a residency program. REME: Revista Mineira de Enfermagem, 21, e-1064. doi:10.5935/1415-2762.20170074
Ramos, T. M., & Rennó, H. M. (2018). Formação na residência de enfermagem na atenção básica/saúde da família sob a ótica dos egressos. Revista Gaúcha de Enfermagem, 39, e2018-0017. doi:10.1590/1983-1447.2018.2018-0017
Scherzer, R., Dennis, M. P., Swan, B. A., Kavuru, M. S., & Oxman, D. A. (2017). A comparison of usage and outcomes between nurse practitioner and resident-staffed medical ICUs. Critical Care Medicine, 45(2), 132-137. doi:10.1097/CCM.0000000000002055
Showalter, B. L., Cline, D., Yungclas, J., Frentz, K., Stafford, S. R., & Maresh, K. J. (2017). Clinical research nursing development of a residency program. Clinical Journal of Oncology Nursing, 21(5), 633-636. doi:10.1188/17.CJON.633-636
Silva, M. G., Fernandes, J. D., Teixeira, G. A., & Silva, R. M. (2010). Processo de formação da(o) enfermeira(o) na contemporaneidade: Desafios e perspectivas. Texto Contexto Enfermagem, 19(1), 176-184. doi:10.1590/S0104-07072010000100021
Silva, R. M., Cordeiro, A. L., Fernandes, J. D., Silva, L. S., & Teixeira, G. A. (2014). Contribuição do curso de especialização, modalidade residência para o saber profissional. Acta Paulista de Enfermagem, 27(4), 362-366. doi:10.1590/1982- 0194201400060
Silva, R. M, Fernandes, J. D., Luz, M. D., Cordeiro, A. L., Silva, L. S., & Silva, A. C. (2017). Concepción de la teoría de transición de Afaf Meleis posibilidades de aplicación para la enfermería. Revista ROL Enfermeria, 40(7-8), 498-503.
Yama, B. A., Hodgins, M., Boydell, R., & Schwartz, S. B. (2018). A qualitative exploration: Questioning multisource feedback in residency education. BCM Medical Education, 18(170). doi:10.1186/s12909-018-1270-7
Texto integral
Total: 0 registo(s)
REF_nov2020_e20021_port.pdf
REF_nov2020_e20021_eng.pdf


[ Detalhes da edição ]