Websites | Serviços | Webmail | Ferramentas | Área reservada

Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional
Título:  Tradução, adaptação cultural e validação do Meaning in Suffering Test para português europeu
Autores:  Teresa Kraus; Susana Capela; Manuel Alves Rodrigues; Maria dos Anjos Dixe
Orientadores: 
Recebido para publicação:  2020-05-19
Aceite para publicação:  2020-10-26
Secção:  ARTIGO DE INVESTIGAÇÃO (ORIGINAL)/RESEARCH ARTICLE (ORIGINAL)
Ano:  2020
DOI:  10.12707/RV20069
Facebook Twitter LinkedIn

Resumo
Enquadramento: As diferenças paradoxais identificadas entre a forma como as pessoas experienciam a dor, independente da sua intensidade, e o sofrimento a ela associado, relacionam-se com os sistemas de crenças e valores.
Objetivos: Validar o Meaning in Suffering Test (MIST) para a população portuguesa e determinar as suas características psicométricas.
Metodologia: Este estudo apresenta o processo de adaptação transcultural, realizado numa amostra de 187 pessoas com doença reumática músculo-esquelética (DRM), com recurso a questionário sociodemográfico, clínico e o MIST-P.
Resultados: A amostra, maioritariamente do sexo feminino, tinha 49,9±12,1 anos. O MIST-P apresenta bons valores de fidelidade (alfa de Cronbach de 0,833). A análise fatorial determinou a organização dos 12 itens em 2 fatores: Sentido e respostas face ao sofrimento e Características subjetivas face ao sofrimento. A escala é estável no tempo (r = 0,844).
Conclusão: O MIST-P é válido e fiável para a população portuguesa com DRM, tendo potencial para ser aplicado na investigação e na prática clínica de prevenção, controlo e integração do sofrimento inevitável.

Palavras-chave
dor crónica; sofrimento; sentido de vida; escala e validação
Antunes, F. (2019, May 21). Chronic pain care: Prevalencia e caracterização da dor cronica nos Cuidados de Saude Primarios. News Farma. Recuperado de https://www.newsfarma.pt/artigos/search.html?searchword=Filipe+antunes
Branco, J. C., Faustino, A., Carvalho, B., Araujo, F., Canhao, H., Brito, I., ... Costa, M. M., (2015). Rede Nacional de Especialidade Hospitalar e de Referenciação de Reumatologia. Recuperado de https://www.sns.gov.pt/wp-content/uploads/2016/05/rede-referencia%C3%A7%C3%A3o-hospitalar-reumatologia.pdf
Branco, J. C., Rodrigues, A. M., Gouveia, N., Eusebio, M., Ramiro, S., Machado, P. M., … Canhao, H., (2016). Prevalence of rheumatic and musculoskeletal diseases and their impact on health-related quality of life, physical function and mental health in Portugal: Results from EpiReumaPt - a national health survey. RMD Open.
doi:10.1136/rmdopen-2015-000166.
Canhao, H., Faustino, A. & Fonseca, J. E. (2012). Registo nacional de doentes reumáticos. Recuperado de http://reuma.pt/pt_PT/docs/ONDOR_reumapt.pdf
Corrar, L. J., Paulo, E., & Filho, J. M. (2011). Análise multivariada para o Curso de Administração, Ciências Contáveis e Economia. São Paulo, Brasil: Editora Atlas.
Direcao-Geral da Saude. (2018). Retrato da saúde, Portugal. Recuperado de https://www.sns.gov.pt/wp-content/uploads/2018/04/RETRATO-DA-SAUDE_2018_compressed.pdf.
Filho, D. B., & Junior, J. A. (2009). Desvendando os misterios do coeficiente de correlacao de Pearson (r). Revista Política Hoje, 18(1), 115-146. Recuperado de https://periodicos.ufpe.br/revistas/politicahoje/article/viewFile/3852/3156.
Frankl, V. E. (1999). El hombre en busca del sentido último. Barcelona, Espana: Ediciones Paidos Iberica.
Geenen R., Overman, C. L., Christensen, R., Asenlof, P., Capela, S., Huisinga, K. L., … Bergman, S., (2018). EULAR recommendations for the health professional’s approach to pain management in inflammatory arthritis and osteoarthritis. Annals of the Rheumatic Diseases. 77, 797-807. doi:10.1136/annrheumdis-2017-212662
Hair, J. F., Anderson, R. E., Tatham, R. L., & Black, W. C. (1998). Multivariate data analysis (5th ed.). New Jersey, NJ: Prentice Hall. Harth, M., & Nielson, W. R. (2019). Pain and affective distress in arthritis: Relationship to immunity and inflammation. Expert Review of Clinical Immunology, 15(5), 541-552. doi:10.1080/17
44666X.2019.1573675.
Kraus, T. (2014). Sentido de vida da pessoa com dor crónica (Tese de doutoramento). Universidade Catolica Portuguesa, Lisboa, Portugal. Recuperado de http://hdl.handle.net/10400.14/16164.
Kraus, T., Dixe, M., & Rodrigues, M. (2014). Dor, sofrimento e sentido de vida: Desafio para a ciencia, a teologia e a filosofia. In O. L. Oliveros, &. P. Krueff (Eds.), Finitude e Sentido da Vida: Logoterapia no embate com a tríade trágica (pp. 193-237). Porto Alegre, Brasil: Evangraf.
Kuuppelomaki, M., & Lauri S. (1998). Cancer patients’ reported experiences of suffering. Cancer Nursing, 21(5), 364‐369. doi:10.1097/00002820-199810000-00008
Maroco, J. P. (2014). Análise de equações estruturais: Fundamentos teóricos, software & aplicações (2a ed.). Pero Pinheiro, Portugal: ReportNumber.
Maroco, J., & Garcia-Marques, T. (2013). Qual a fiabilidade do alfa de Cronbach? Questoes antigas e solucoes modernas? Laboratório de Psicologia, 4(1), 65-90.
Pache, B., Vollenweider, P., Waeber, G., & Marques-Vidal, P. (2015). Prevalence of measured and reported multimorbidity in a representative sample of the Swiss population disease epidemiology: Chronic. BMC Public Health, 15, 1-8.
Pestana, M. H., & Gageiro, J. (2014). Análise de dados para ciências sociais: A complementaridade do SPSS (6a ed.). Lisboa, Portugal: Silabo.
Starck, P. L. (1985). Guidelines: The meaning in suffering test. Berkeley, CA: Institute of Logotherapy Press.
Starck, P. L. (2008). The human spirit: The search for meaning and purpose through suffering. Humane Medicine, 8(2), 132-137.


[ Detalhes da edição ]