Websites | Serviços | Webmail | Ferramentas | Área reservada

Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional
Título:  Os muito idosos: avaliação funcional Multidimensional
Autores:  Rogério Manuel Clemente Rodrigues; Cristiana Filipa Ribeiro da Silva; Luís Manuel de Jesus Loureiro; Sílvia Manuela Dias Tavares da Silva; Sandrina Sofia da Silva Crespo; Zaida de Aguiar Sá Azeredo
Orientadores: 
Recebido para publicação:  2014-05-20
Aceite para publicação:  2014-09-22
Secção:  Artigo
Ano:  2015
DOI:  http://dx.doi.org/10.12707/RIV14040
Facebook Twitter LinkedIn

Resumo
Enquadramento: O processo de transição demográfica, traduzido em envelhecimento populacional, impõe a adequação de serviços de saúde, e sociais, às necessidades e expectativas dos idosos. A definição de intervenções exige uma avaliação funcional multidimensional.
Objetivos: Avaliar a capacidade funcional em cinco áreas (recursos sociais, recursos económicos, saúde mental, saúde física e atividades de vida diária) da população com idade ≥75 anos do concelho de Coimbra.
Metodologia: Estudo quantitativo, descritivo e correlacional, com amostra constituída por 1153 indivíduos. Foi utilizado o Questionário de Avaliação Funcional Multidimensional para Idosos classificando os participantes, em cada área funcional, de excelente a limitação total.
Resultados: Classificados com limitação grave ou total encontramos na área de: recursos sociais 12,5% dos participantes; recursos económicos 15,4%; saúde mental 16,0%; saúde física 45,6%; e atividades de vida diária 23,6%. As mulheres e os indivíduos com idade ≥85 anos apresentam tendencialmente piores classificações.
Conclusão: A avaliação multidimensional fornece dados que permitem a intervenção integrada dos serviços sociais e de saúde atendendo a diferenças de género e idade.

Palavras-chave
envelhecimento da população; avaliação geriátrica.
Alvarenga, M., Oliveira, M., Faccenda O., & Souza, R. (2011). Perfil social e funcional de idosos assistidos pela estratégia da saúde da família. Cogitare Enfermagem, 16(3), 478-485. Recuperado de http://ojs.c3sl.ufpr.br/ojs2/index.php/cogitare/article/view/20944.
Apóstolo, J., Cardoso, D., Marta, L., & Amaral, T. (2011). Efeito da estimulação cognitiva em idosos. Revista de Enfermagem Referência, 3(5), 193-201.
Cardoso, J., & Costa, J. (2010). Características epidemiológicas, capacidade funcional e fatores associados em idosos de um plano de saúde. Ciência e Saúde Colectiva, 15(6), 2871-78. Recuperado de http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S1413-81232010000600024&script=sci_arttext. doi: 10.1590/S1413-81232010000600024.
Farinasso, A. (2005). Perfil dos idosos em uma área de abrangência da estratégia de saúde da família (Dissertação de Mestrado) Universidade de São Paulo, Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto, Brasil. Recuperado de http://www.rbmfc.org.br/rbmfc/ article/view/343. doi: 10.5712/rbmfc3(11)343.
Ferreira, O., Maciel, S., Costa, S., Silva, A., & Moreira, M. (2012). Envelhecimento ativo e sua relação com a independência funcional. Texto & Contexto Enfermagem, 21(3), 513-518. Recuperado de http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0104-07072012000300004&script=sci_arttext.
Ferreira, P., & Rodrigues, R. (1999). Portuguese version of the OARS multidimensional functional assessment of older adults questionnaire. Quality of life research, 8(7), 597.
Ferreira, P., Rodrigues, R., & Nogueira, D. (2006). Avaliação multidimensional em idosos. Coimbra, Portugal: Mar da Palavra.
Instituto Nacional de Estatística. (2013). Estatísticas Demográficas 2012. Lisboa, Portugal: Autor.
Lima, M., Silva, R., & Ramos, L. (2009). Fatores associados à sintomatologia depressiva numa coorte urbana de idosos. Journal Brasileiro de Psiquiatria, 58(1), 1-7. Recuperado de http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0047-20852009000100001&script=sci_arttext.
Nikolova, R., Demers, L., Beland, F., & Giroux, F. (2011). Transitions in the functional status of disabled community-living older adults over a 3-year follow-up period. Archives of Gerontology and Geriatrics, 52, 12-17. Recuperado de http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/19945757. doi: 10.1016/j.archger.
Oliveira, C., Rosa, M., Pinto, A., Botelho, M., Morais, A., & Veríssimo, M. (2010). Estudo do perfil do envelhecimento da população portuguesa. Lisboa, Portugal: Alto Comissariado da Saúde.
World Health Organization. Noncommunicable Diseases and Mental Health Cluster. Noncommunicable Disease Prevention and Health Promotion Department Ageing and Life Course. (2002). Active ageing a policy framework.
Genebra, Suíça: Autor. Recuperado de http://www.who.int/ageing/publications/active_ageing/en/.
World Health Organization. National Institute on Aging. National Institute of Health. (2011). Global Health and Aging. Bethesda, MD: Author. Recuperado de http://www.who.int/ageing/publications/global_health/en/.
Patiño, P., Vásquez-Vizoso, F., & Veras, C. (1996). The handicaps and the need for services among the aged detected in the health survey OARS-Vigo. Medicina Clínica, 106(17), 641-648.
Rodrigues, R. (2008). Validação da versão em português europeu de questionário de avaliação multidimensional de idosos. Revista Panamericana de Salud Publica, 23(2), 109-115.
Rodrigues, R. (2009). Avaliação comunitária de uma população de idosos. Coimbra, Portugal: Mar da Palavra.
Rodrigues, T. (2012). O modelo OARS na enfermagem comunitária: Avaliação da funcionalidade e utilização de serviços de uma população idosa rural (Dissertação de Mestrado). Escola Superior de Enfermagem de Coimbra, Portugal.
Silva, S. (2014). Estado funcional e utilização de serviços em idosos no habitat urbano: Estudo em São João da Madeira (Tese de Doutoramento). Faculdade de Medicina da Universidade de Santiago de Compostela, Departamento de Psiquiatria, Radiologia e Saúde Pública, Espanha.
Texto integral
Total: 0 registo(s)
7 Rev. Enf. Ref. RIV14040 portuguese.pdf
7 Rev. Enf. Ref. RIV14040 english.pdf


[ Detalhes da edição ]