Websites | Serviços | Webmail | Ferramentas | Área reservada

Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional
Nome da revista:  Revista de Enfermagem Referência IVª Série
Edição:  Edição N.º 5
Data da edição:  2015-06-30
Comentários: 
Editorial:  A comunicação e a mudança são aspetos inerentes à nossa existência quotidiana. Tanto nas nossas vidas pessoais como profissionais, temos de interagir com outras pessoas, dar conselhos, recomendações e opiniões; comprometemo-nos, cooperamos, gerimos relações complexas; talvez façamos role play de acordo com a nossa situação e as pessoas, os sistemas e as burocracias que nos rodeiam. Nestes contextos, a mudança também pode ser complexa, desafiadora e polémica, principalmente ao nível dos cuidados de saúde. A existência de várias agendas de diferentes setores significam, frequentemente, que devem ser identificadas soluções e estratégias criativas para alterar substancialmente a forma como os cuidados de saúde são prestados.
Atualmente, muitos países em várias regiões estão focados na translação da melhor evidência disponível para as políticas e a prática clínica. Até à data, a ênfase tem sido dada ao contexto clínico. Assim, a questão que se coloca muitas vezes é a razão pela qual existem fortes evidências sobre uma determinada intervenção ou tratamento e, no entanto, esta não é utilizada na prática. Iria sugerir que está a tornar-se cada vez mais importante questionar os outros setores envolvidos na resolução deste problema complexo (wicked problem). Porque é que as universidades e os institutos e centros de investigação não estão a realizar estudos mais direcionados para as necessidades das pessoas na prática clínica? Porque é que os governos estão a estabelecer prioridades ao nível da investigação que é realizada? Porque é que o setor do ensino não se centra mais nas abordagens multidisciplinares à translação da investigação, começando ao nível da licenciatura? Porque é que não há uma melhor e mais eficaz comunicação entre os setores da investigação, do ensino, da prática clínica e do governo? Esta abordagem setorial em silos mina a nossa capacidade coletiva de superar os impasses translacionais, uma vez que nenhum dos setores está a trabalhar em conjunto.
Além disso, um desafio que muitos enfrentam é o de dizer a verdade a quem detém o poder, o que acontece em qualquer estrutura organizacional, principalmente quando se trata de resolver problemas. Em 2008, John Camillus escreveu na Harvard Business Review que the wicked problems “ocorrem num contexto social; quanto maior a divergência entre as partes interessadas, mais complexo é o problema. É a complexidade social dos wicked problems tanto quanto as suas dificuldades técnicas que os tornam difíceis de gerir”. Muitas vezes, a solução passa pelo modo como as pessoas interagem entre si para criar entendimentos comuns sobre as questões em causa e cocriar soluções para esses problemas.
A translação bem-sucedida do conhecimento para as políticas e a prática clínica exige uma evolução social entre as redes de indivíduos que trabalham atualmente em silos (ao nível da investigação, ensino, governo e prática clínica). É necessária uma próxima geração de inovação para desembaraçar os vários núcleos deste wicked problem. Não são necessários mais modelos ou referenciais. O que se exige é engajamento humano. Planeamento Social. Comunicação.
A translação é intricadamente desorganizada, mas se conseguirmos compreender melhor o papel de cada um no processo, bem como o nosso próprio papel, acredito que seja um problema que seremos capazes de ultrapassar coletivamente. A orquestração do engajamento cocriativo (do setor empresarial) envolve todas as partes interessadas no processo de aquisição de conhecimentos e identificação de soluções em conjunto. Este tipo de plataformas de engajamento baseadas na experiência podem ter algo a oferecer à ciência da translação. Ela aproveita a inteligência coletiva de uma forma reflexiva, recíproca e interativa. Afinal, a translação é, em última análise, um esforço humano. Não há nenhuma tecnologia, programa ou recurso que consiga fazer isso por nós. É intrinsecamente imperfeita porque os seres humanos são imperfeitos e isso nunca vai mudar. Somos [muitas vezes] resistentes à mudança, somos emocionais, experienciamos por vezes conflitos de personalidade que têm impacto na nossa capacidade de trabalhar em conjunto de forma eficaz. A sociedade, o conhecimento, o discurso e o poder, todos desempenham aqui um papel.
Em última instância, poderemos nunca resolver o wicked problem da translação do conhecimento. Talvez seja um processo demasiadamente dinâmico para poder ser definido e sobrecarregado com regras rígidas ou diretrizes. É sim um processo fluido e imprevisível. A evidência altera-se e evolui ao longo do tempo e, por conseguinte, a translação é um ciclo contínuo no qual muitos, mas muitos atores desempenham um papel importante. Em vez de estar constantemente a tentar reconstituir, redefinir ou reenquadrar de forma discursiva a translação do conhecimento, semanticamente ou de outra forma, talvez tenha chegado o momento de assumir uma perspetiva foucaultiana em relação à translação, reconhecendo-a como discurso e, como tal, algo que deve ser abordado a diferentes níveis, com métodos diferentes. Assim, a pluralidade das instituições, setores e modos de translação não pode ser apreendida através de uma única teoria ou método.


Zoe Jordan, Ph.D.,
Professora Associada
Universidade of Adelaide, Australia


Ficha técnica:  Ver ficha técnica

Secção Artigo
Total: 17 registo(s)
A influência da rotação no trabalho na satisfação profissional dos enfermeiros num serviço de cirurgia
Liliana Isabel Correia Dinis; Inês Fronteira
Adesão do regime terapêutico medicamentoso dos idosos integrados nas equipas domiciliárias de Cuidados Continuados
Lígia Eduarda Pereira Monterroso; Natércia Joaquim; Luís Octávio de Sá
Avaliação da dor em crianças com cancro: uma revisão sistemática
Luís Manuel Cunha Batalha; Ananda Maria Fernandes; Catarina de Campos; Ana Maria Pacheco Mendes Perdigão Costa Gonçalves
Caracterização dos pacientes atendidos com crise hipertensiva num hospital de pronto socorro
Diego Silveira Siqueira; Fernando Riegel; Juliana Petri Tavares; Maria da Graça Oliveira Crossetti; Marta Georgina Oliveira de Goes; Luciane Soares Arruda
Cuidados de higiene – banho: significados e perspetivas dos enfermeiros
Esmeralda Faria Fonseca; Maria Helena de Oliveira Penaforte; Maria Manuela Ferreira Pereira da Silva Martins
Cuidar: da condição de existência humana ao cuidar integral profissionalizado
Paulo Joaquim Pina Queirós
Efeitos da mobilização precoce na reabilitação funcional em doentes críticos: uma revisão sistemática
Paulo Manuel Dias da Silva Azevedo; Bárbara Pereira Gomes
Eficácia de intervenções assistidas por animais na prevenção da violência de doentes psiquiátricos agudos hospitalizados
Maria Isabel Dias Marques; Aida Cruz Mendes; Ana Isabel Ferreira de Magalhães Gamito; Liliana De Sousa
Impacto do Projeto de Intervenção na Obesidade Infantil no primeiro ciclo de um agrupamento de escolas
Alexandrina Marques Rodrigues; Odete Maria Azevedo Alves; Elsa Cristina Barreto Lima Freitas Amorim
Newsletter Portugal Centre for Evidence Based Practice

Newsletter UICISA:E _7 Development Strategic Axis to Horizon 2020

Os muito idosos: avaliação funcional Multidimensional
Rogério Manuel Clemente Rodrigues; Cristiana Filipa Ribeiro da Silva; Luís Manuel de Jesus Loureiro; Sílvia Manuela Dias Tavares da Silva; Sandrina Sofia da Silva Crespo; Zaida de Aguiar Sá Azeredo
Perceção de cultura organizacional e de gestão do conhecimento em hospitais com diferentes modelos de gestão
Sofia Gaspar Cruz; Maria Manuela Frederico Ferreira
Perfil sociodemográfico e competência em aleitamento materno dos profissionais de enfermagem da Estratégia Saúde da Família
Mariana de Oliveira Fonseca-Machado; Bibiane Dias Miranda Parreira; Juliana Cristina dos Santos Monteiro; Flávia Gomes-Sponholz
Qualidade de vida e saúde de pessoas submetidas a cirurgia de descompressão do nervo mediano
Leonel São Romão Preto; Fernanda Cristina Ramos Morgado da Cruz; Maria Eugénia Rodrigues Mendes; André Filipe Morais Pinto Novo
Qualidade de vida em mulheres com Incontinência Urinária
Susana Fernandes; Emília Carvalho Coutinho; João Carvalho Duarte; Paula Alexandra Batista Nelas; Claudia Margarida Correia Balula Chaves;Odete Amaral
Vivências da interrupção espontânea da gravidez em primigestas no primeiro trimestre gestacional: um estudo fenomenológico
Ana Paula Forte Camarneiro; Juraci Conceição Silveira Cardoso Maciel; Rosa Maria Garcia da Silveira



[ Voltar ]