Websites | Serviços | Webmail | Ferramentas | Área reservada

Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional
Título:  Avaliação da dor em crianças com cancro: uma revisão sistemática
Autores:  Luís Manuel Cunha Batalha; Ananda Maria Fernandes; Catarina de Campos; Ana Maria Pacheco Mendes Perdigão Costa Gonçalves
Orientadores: 
Recebido para publicação:  2014-01-23
Aceite para publicação:  2014-10-15
Secção:  Artigo
Ano:  2015
DOI:  http://dx.doi.org/10.12707/RIV14013
Facebook Twitter LinkedIn

Resumo
Contexto: A dor persistente na criança com cancro apresenta particularidades que dificultam a sua avaliação.
Objetivos: Identificar instrumentos de avaliação de dor persistente e indicadores associados a esta experiência utilizados em crianças com cancro.
Método da revisão: Utilizando as bases de dados Medline e CINAHL, selecionaram-se estudos primários entre 2003 e 2013 que avaliaram a experiência de dor em crianças (0-18) com cancro. A seleção dos textos, a avaliação da qualidade metodológica e a extração e síntese dos dados foi realizada por dois investigadores, seguindo as orientações do Joanna Briggs Institute.
Apresentação e interpretação dos resultados: Nos 16 estudos selecionados, identificaram-se 15 instrumentos de avaliação da dor e dois que avaliam também outros indicadores. Identificaram-se ainda outros indicadores considerados associados à experiência dolorosa.
Conclusão: O elevado número de instrumentos identificados para avaliação da dor comprova a ausência de evidências sobre os melhores instrumentos. Dada a natureza da dor oncológica, parece-nos que a avaliação exclusiva da intensidade é uma visão redutora das experiências de dor persistente das crianças com cancro.

Palavras-chave
dor; escala; criança; cancro.
Agence Nationale d’Acreditation et d’Évaluation en Santé (2000). Evaluation et stratégies de prise en charge de la douleur aigue en ambulatoire chez lénfant de 1 mois à 15 ans. Paris: ANAES.
Ameringer, S. (2010). Barriers to pain management among adolescents with cancer. Pain Management Nursing, 11(4) 224-233.
Batalha, L. (2010). Dor em pediatria: Compreender para mudar. Lisboa, Portugal: Lidel.
Dupuis, L. L., Ethier, M. C., Tomlinson, D., Hesser, T., & Sung, L. (2012). A systematic review of symptom assessment scales in children with cancer. BMC Cancer, 12.
Eccleston, C., & Clinch, J. (2007). Adolescent chronic pain and disability: A review of the current evidence in assessment and treatment. Paediatrics Child Health, 12(2), 117-120.
Erickson, J. M. (2009). Approaches to measure sleep-wake disturbances in adolescents with cancer. Journal of Pediatric Nursing, 24(4), 255-269.
Gameiro, M. G. H. (2012). Adaptação dos adolescentes com cancro na fase de tratamento: Uma revisão da literatura. Revista de Enfermagem Referência, 3(8), 135-156.
Kestler, S. A., & LoBiondo-Wood, G. (2012). Review of symptom experiences in children and adolescents with cancer. Cancer Nursing, 35(2), E31-E49.
Ljungman, G., Gordh, T., Sorensen, S., & Kreuger, A. (2000). Pain variations during cancer treatment in children: A descriptive survey. Pediatric Hematology and Oncology, 17(3), 211-221.
McGrath, P. J., Walco, G. A., Turk, D. C., Dworkin, R. H., Brown, M. T., Davidson, K.,…Zeltzer, L. (2008). Core outcome domains and measures for pediatric acute and chronic/recurrent pain clínical trials: PedIMMPACT recommendations. The Journal of Pain, 9(9), 771-783.
Ordem dos Enfermeiros (2008). Dor - guia orientador de boa prática. Lisboa, Portugal: Autor.
Palermo, T. M. (2000). Impact of recurrent and chronic pain on child and family daily functioning: A critical review of the literature. Journal of Developmental and Behavioral Pediatrics, 21(1), 58-69.
Roth-Isigkeit, A., Thyen, U., Stoven, H., Schwarzenberger, J., & Schmucker, P. (2005). Pain among children and adolescents: Restrictions in daily living and triggering factors. Pediatrics, 115(2), e152-e162.
The Joanna Briggs Institute (2014). Joanna Briggs Institute Reviewers’ Manual: 2014 edition (Ed 2014). Australia: The Joanna Briggs Institute.
von Baeyer, C. L. (2009). Children’s self-report of pain intensity: What we know, where we are headed. Pain Research & Management, 14(1), 39-45.
von Baeyer, C. L., Lin, V., Seidman, L. C., Tsao, J. C., & Zeltzer, L. K. (2011). Pain charts (body maps or manikins) in assessment of the location of pediatric pain. Pain Management, 1(1), 61-68.
Texto integral
Total: 0 registo(s)
13 Rev. Enf. Ref. RIV14013ARS english.pdf
13 Rev. Enf. Ref. RIV14013ARS portuguese.pdf


[ Detalhes da edição ]