Websites | Serviços | Webmail | Ferramentas | Área reservada

Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional
Título:  Vivências da interrupção espontânea da gravidez em primigestas no primeiro trimestre gestacional: um estudo fenomenológico
Autores:  Ana Paula Forte Camarneiro; Juraci Conceição Silveira Cardoso Maciel; Rosa Maria Garcia da Silveira
Orientadores: 
Recebido para publicação:  2014-06-19
Aceite para publicação:  2015-01-06
Secção:  Artigo
Ano:  2015
DOI:  http://dx.doi.org/10.12707/RIV14064
Facebook Twitter LinkedIn

Resumo
Enquadramento: A Interrupção Espontânea da Gravidez (IEG) em primigestas desencadeia reações emocionais complexas que ocorrem fora dos serviços de saúde.
Objetivos: Compreender a vivência da IEG no primeiro trimestre de gravidez nas mulheres primigestas.
Metodologia: Estudo qualitativo, fenomenológico. A amostra, do tipo intencional, é constituída por seis participantes. A informação foi obtida por entrevista aberta e a sua análise teve por base a proposta de Loureiro (2002; 2006). Foi garantida a fidelidade e transferibilidade contextual.
Resultados: A essência do fenómeno é o desfazer do sonho que resulta da privação súbita da gravidez e da maternidade desejada. A estrutura encontrada organiza-se em três temas centrais: vivência de sentimentos negativos; elaboração interior; desejo de garantia da maternidade. Estes temas coexistem ao longo do tempo embora se manifestem com forças distintas.
Conclusão: A IEG constitui uma perda gestacional precoce, vivida com emoções negativas importantes mas também com o esforço de reorganização interior, que merece atenção e monitorização por parte dos profissionais de saúde.

Palavras-chave
aborto espontâneo; perda gestacional; luto; enfermagem obstétrica.
Cabral, I. P. (2005). Morte e luto na gravidez e puerpério. In Isabel Leal, Psicologia da gravidez e da parentalidade (pp. 49-59). Lisboa, Portugal: Fim de Século.
Camarneiro, A. P. (2011). Vinculação pré-natal e organização psicológica dos homens e das mulheres no segundo trimestre de gestação (Tese de Doutoramento). Faculdade de Psicologia da Universidade de Lisboa, Portugal.
Camarneiro, A. P. & Justo, J. (2010). Padrões de vinculação pré-natal (Contributos para a adaptação da Maternal and Paternal Antenatal Attachment Scale em casais durante o 2º trimestre de gravidez, na região centro de Portugal). Revista Portuguesa de Pedopsiquiatria, 28, 7-22.
Canavarro, M. C. (2004). Vinculação, perda e luto: Implicações clínicas. Psychologica, 35, 35-47.
Ferreira, L. M., Góis, G. M., Faria, M. C., & Correia, M. J. (1990). O Luto por morte perinatal e/ou malformação do bebé. Análise Psicológica, 4(8), 399-402.
Keating, I. & Seabra, M. J. (1994). Luto e vinculação. Análise Psicológica, 2-3(12), 291-300.
Kersting, A., Kroker, K., Schlicht, S., & Wagner, B. (2011). Internet-based treatment after pregnancy loss: Concept and case study. Journal of Psychosomatic Obstetrics and Gynecology, 32(2), 72-78. Doi: 10.3109/0167482x2011.553974
Kersting, A. & Wagner, B. (2012). Complicated grief after perinatal loss. Dialogues in Clinical Neuroscience, 14(2), 187–194.
Leal, I. (Cord.). (2005). Psicologia da gravidez e da parentalidade. Lisboa, Portugal: Fim de Século.
Loureiro, L. M. J. (2002). Orientações teórico-metodológicas para aplicação do método fenomenológico na investigação em enfermagem. Revista de Enfermagem Referência, 8, 5-16.
Loureiro, L. M. J. (2006). Adequação e rigor na investigação fenomenológica em enfermagem: Crítica, estratégias e possibilidades. Revista de Enfermagem Referência, 2(2ª Série), 21-31.
Moulder, C. (1994). Towards a preliminary framework for understanding pregnancy loss. Journal of Reproductive and Infant Psychology, 12(1), 65-67.
Nery, I. S., Monteiro, C. F. S., Luz, M. H. B., & Crizóstomo, C. D. (2006). Vivências de mulheres em situação de aborto espontâneo. Revista de Enfermagem UERJ, 14(1), 67-73.
Rolim, L. & Canavarro, M. C. (2001). Perdas e luto durante a gravidez e puerpério. In Maria Cristina Canavarro, Psicologia da gravidez e da maternidade (pp.255-296). Coimbra, Portugal: Quarteto Editora.
Rowlands, I. & Lee, C. (2009). Correlates of miscarriage among young women in the australian longitudinal study on women´s health. Journal of Reproductive and Infant Psychology, 27(1), 40-53.
Soubieux, M. J. (2009). Le deuil périnatal. Bruxelles, Belgique: Temps d´arrête.
Walsh, F. & McGoldrick, M. (1998). Morte na família: Sobrevivendo às perdas. Porto Alegre, Brasil: Artes Médicas.
Weiss, R. S. (1998). Issues in the study of loss and grief. In J. H. Harvey (Ed.), Perspectives on Loss: A sourcebook. New York, USA: Brunner/Mazel.
Texto integral
Total: 0 registo(s)
12 Rev. Enf. Ref. RIV14064 english.pdf
12 Rev. Enf. Ref. RIV14064 portuguese.pdf


[ Detalhes da edição ]