Websites | Serviços | Webmail | Ferramentas | Área reservada

Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional
Título:  Crianças como cuidadores: uma investigação sobre a perspetiva dos enfermeiros da Região Autónoma da Madeira da Madeira
Autores:  Carla Andreia Pinto*; Ana Sofia Filipe Marote**; Pedro Miguel Nunes Pedrosa***; Maria do Céu Barbieri Figueiredo****
Orientadores: 
Recebido para publicação:  2015-10-16
Aceite para publicação:  2016-03-28
Secção:  Artigo de Investigação
Ano:  2016
DOI:  http://dx.doi.org/10.12707/RIV15067

Resumo
Enquadramento: Não há registos, em Portugal, sobre crianças como cuidadoras. A literatura internacional realça que esta é uma área importante de intervenção dos profissionais de saúde.
Objetivos: Analisar a perspetiva dos enfermeiros dos cuidados de saúde primários da Madeira sobre a problemática das crianças como cuidadoras e conhecer as áreas de intervenção de enfermagem junto destas.
Metodologia: Estudo quantitativo, descritivo, com aplicação de um questionário a uma amostra de 157 enfermeiros da Região Autónoma da Madeira
Resultados: Dos enfermeiros, 23% refere que já contactou com crianças cuidadoras, crianças que cuidam dos avós (29%), dos pais com doença psiquiátrica (25%) e dos pais com doença crónica (21%). Foram identificadas como áreas de intervenção de Enfermagem o ensino, treino de competências, suporte individual e aconselhamento.
Conclusão: O envelhecimento e as doenças psiquiátricas aumentam a probabilidade de uma criança assumir o papel de cuidadora. Propomos a replicação desta investigação em Portugal continental assim como de estudos de natureza qualitativa, explorando o papel da pessoa dependente e da criança cuidadora.

Palavras-chave
criança; cuidadores; enfermeiros; papel do profissional de enfermagem
Aldridge, J., & Becker, S. (1994). My child, my carer: The parents’ perspective. Loughborough, England: Loughborough University
Becker, F., & Becker, S. (2008). Service needs and delivery following the onset of caring amongst children and young adults: Evidenced based review. Cheltenham, England: Commission for Rural Communities
Becker, S. (2007). Global perspectives on children’s unpaid caregiving in the family research and policy on ‘young carers’ in the UK, Australia, the USA and Sub-Saharan Africa Global Social Policy,7(1), 23-50. doi: 10.1177/1468018107073892
Gays, M. (2000). Getting it right for young carers in the ACT. In Family futures: Issues in research and policy. In 7th Australian Institute of Family Studies Conference, Sydney, 24-26 Julho, Austrália.
Howard, D. (2010). Number of child carers “four times previous estimate”. Recuperado de http://www.bbc.com/news/education-11757907
Instituto Nacional de Estatística. (2011). Censos 2011: Resultados provisórios. Lisboa, Portugal: Autor.
Marote, A. S., Pinto, C. A., Vieira, M. R., Barbieri-Figueiredo, M. C., & Pedrosa, P. M. (2012). Children as carers: An integrative review. Revista Latino-Americana de Enfermagem, 20(6), 1196-1205. doi: 10.1590/S0104-11692012000600023 
Metzing-Blau, S., Schnepp, W., Hübner, B., & Bücher, A. (2006). Die lücke füllen und in Bereitschaft sein: Kinder und jugendliche als pflegende Angehörige. Pflege & Gesellschaf. 11(4), 351-373. Recuperado de http://www.ig-pflege.at/downloads/news/2010/Kinder-und-Jugendliche-PfleGe406Metzing.pdf
Metzing-Blau, S., & Schnepp, W. (2008). Young carers in Germany: To live on as normal as possible: A grounded theory study. BMC Nursing, 7(15). doi: 10.1186/1472-6955-7-15
Minayo, M. C. (2014). O desafio do conhecimento: Pesquisa qualitativa em saúde (11ª ed.). São Paulo, Brasil: Hucitec.
Obadina, S. (2010). Parental mental illness: Effects on young carers. British Journal of School Nursing, 5(3),135 -139.
Robson, E., Ansell, N., Huber, U. S., Gould, W. T., & van Blerk, L. (2006). Young caregivers in the context of the HIV/AIDS pandemic in sub-Saharan Africa. Population, Space and Place, 12(2), 7-22. doi:10.1002/psp.392
Schlarmann, J. G., Metzing-Blau, S., & Schnepp, W. (2011). Implementing and evaluating the first german young-carers project: Intentions pitfalls and the need for piloting complex interventions. The Open Nursing Journal, 5, 38-44. doi:  10.2174/1874434601105010038
Schumacher, K., & Meleis, A. (2007). Transitions: A central concept in nursing. Journal of Nursing Scholarship. 26(2), 119-127. doi: 10.1111/j.1547-5069.1994.tb00929.x
Siskowski, C. (2006). Young caregivers: Effect of familly health situation on school performance. The Journal of School Nursing, 22(3), 163-169. doi: 10.1177/10598405060220030701
Warren, J. (2007). Young carers: Conventional or exaggerated levels of involvement in domestic and caring tasks?. Children & Society, 21(2), 136-146. doi: 10.1111/j.1099-0860.2006.00038.x
Texto integral
Total: 0 registo(s)
02 Rev. Enf. Ref. RIV15067 ENG.pdf
02 Rev. Enf. Ref. RIV15067 PORT.pdf


[ Detalhes da edição ]