Websites | Serviços | Webmail | Ferramentas | Área reservada

Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional
Título:  Empoderamento estrutural em enfermagem: tradução, adaptação e validação do Conditions of Work Effectiveness Questionnaire II
Autores:  Abílio Cardoso Teixeira*; Maria Assunção Almeida Nogueira**; Paulo Jorge Pereira Alves***
Orientadores: 
Recebido para publicação:  2016-02-26
Aceite para publicação:  2016-07-26
Tipo:  Artigo
Ano:  2016
DOI:  http://dx.doi.org/10.12707/RIV16014

Resumo
Enquadramento: O empoderamento profissional em enfermagem é um assunto de relevância assumida nas organizações, pelo seu impacto nas mesmas, no profissional, no cliente e na disciplina de enfermagem. Da pesquisa efetuada, não encontramos nenhum instrumento capaz de o medir, validado para a população de enfermeiros portuguesa.
Objetivos: Traduzir, adaptar e validar o Conditions of Work Effectiveness Questionnaire II (CWEQ-II).
Metodologia: Estudo do tipo metodológico, num processo de tradução e retrotradução, com recurso a uma amostra probabilística estratificada, constituída por enfermeiros de um hospital universitário de Portugal.
Resultados: Através da análise fatorial, foram identificados 6 fatores, explicando 72,925% da variância total das escalas. O coeficiente alfa de Cronbach dos mesmos foi de 0,85 (Oportunidade), 0,86 (Informação), 0,89 (Apoio), 0,797 (Recursos), 0,81 (Poder Formal) e 0.68 (Poder Informal), sendo o valor global de 0,91. Obteve-se um valor de referência de empoderamento estrutural de 18,94, coincidentes com o de outros estudos publicados.
Conclusão: Obtivemos uma versão do CWEQ-II traduzida, adaptada e validada para a população de enfermeiros.

Palavras-chave
empoderamento; tradução; validação; questionário
Amendoeira, J. (2008). Profissões e estado: o conhecimento profissional em enfermagem. In J. Lima & H. Pereira (Eds.), Políticas públicas e conhecimento profissional: A educação e a enfermagem em reestruturação (capítulo VIII.). Porto, Portugal: Livpsic.
Beaton, D., Bombardier, C., Guillemin, F., & Ferraz, M. (2000). Guidelines for the process of cross-cultural adaptation of self-report measures. Spine, 25(24), 3186-3191. doi:10.1097/00007632-200012150-00014
Cawley, T., & McNamara, P. (2011). Public health nurse perceptions of empowerment and advocacy in child health surveillance in West Ireland. Public Health Nursing, 28(2), 150-158. doi:10.1111/j.1525-1446.2010.00921.x
Collins, K., Onwuegbuzie, A., & Jiao, Q. (2006). Prevalence of mixed-methods sampling designs in social science research. Evaluation & Research in Education, 19(2), 83-101. doi:10.2167/eri421.0
Dillman, D., Smyth, J., & Christian, L. (2009). Internet, mail and mixed-mode surveys: The tailored design method (3rd ed.). New Jersey, USA: Wiley.
Fortin, M. (2009). Fundamentos e etapas do processo de investigação. Loures, Portugal: Lusodidacta.
Guillemin, F., Bombardier, C., & Beaton, D. (1993). Cross-cultural adaptation of health-related quality of life measures: Literature review and proposed guidelines. Journal of Clinical Epidemiology, 46(12), 1417-1432. doi:10.1016/0895-4356(93)90142-N
Hilton, A., & Skrutkowski, M. (2002). Translating instruments into other languages: Development and testing processes. Cancer, 25(1), 1-7. doi:10.1097/00002820-200202000-00001
Hochwalder, J., & Brucefors, A. (2005). A psychometric assessment of a Swedish translation of Spreitzer’s empowerment scale. Scandinavian Journal of Psychology, 46(6), 521-529. doi:10.1111/j.1467-9450.2005.00484.x
Kanter, R. (1993). Men and women of the corporation. New York, USA: Basic Books.
Knaut, L., Moser, A., Melo, S., & Richards, R. (2010) Tradução e adaptação cultural à língua portuguesa do American Shoulder and Elbow Surgeons Standardized Shoulder Assessment Form (ASES) para avaliação da função do ombro. Revista Brasileira de Reumatologia, 50(2), 176-183. doi:10.1590/S0482-50042010000200007
Kuokkanen, L., Leino-Kilpi, H., & Katajisto, J. (2003). Nurse empowerment, job-related satisfaction, and organizational commitment. Journal of Nursing Care Quality, 18(3), 184-192. doi:10.1097/00001786-200307000-00004
Laschinger, H., Finegan, J., & Shamian, J. (2001). The impact of workplace empowerment, organizational trust on staff nursesʼ work satisfaction and organizational commitment. Health Care Management Review, 26(3), 7-23.
Laschinger, H., Finegan, J., Shamian, J., & Wilk, P. (2001). Impact of structural and psychological empowerment on job strain in nursing work settings: Expanding Kanterʼs model. The Journal of Nursing Administration, 31(5), 260-272.
Laschinger, H., Wilk, P., Cho, J., & Greco, P. (2009). Empowerment, engagement and perceived effectiveness in nursing work environments: Does experience matter?. Journal of Nursing Management, 17(5), 636-646. doi:10.1111/j.1365-2834.2008.00907.x
McDonald,S., Tullai-McGuinness, S.,Madigan, E. & Shively, M. (2010). Relationship between staff nurse involvement in organizational structures and perception of empowerment. Critical Care Nurse, 33(2), 148-162. doi:10.1097/CNQ.0b013e3181d9123c
Manojlovich, M. (2007). Power and empowerment in nursing: Looking backward to inform the future. The Online Journal of Issues in Nursing. 2(1). doi: 10.3912/OJIN.Vol12No01Man01
Ribeiro, J. (1999). Investigação e avaliação em psicologia e saúde. Lisboa, Portugal: Climepsi.
Ribeiro, Jorge (2009). Autonomia profissional dos enfermeiros. (Dissertação de mestrado). Universidade do Porto, Instituto de Ciências Biomédicas Abel Salazar, Portugal. Retrieved from http://hdl.handle.net/10216/20083
Wild, D., Grove, A., Martin, M., Eremenco, S., Mcelroy, S., Verjee-lorenz, A., & Erikson, E. (2005). Principles of good practice for the translation and cultural adaptation process for patient-reported outcomes measures: Report of the ISPOR task force for translation and cultural adaptation. Value in Health, 8(2), 94-104. doi:10.1111/j.1524-4733.2005.04054.x
Texto integral
Total: 0 registo(s)
04 Rev. Enf. Ref_ RIV16014 ING.pdf
04 Rev. Enf. Ref_ RIV16014.pdf


[ Detalhes da edição ]