Websites | Serviços | Webmail | Ferramentas | Área reservada

Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional
Título:  Empowerment na gravidez: estudo de adaptação da Empowerment Scale for Pregnant Women para o contexto português
Autores:  Clara Maria Cardoso da Silva Aires*; Isabel Maria Fonseca Ferreira**; Alzira Teresa Vieira Martins Ferreira dos Santos***; Maria Rui Miranda Grilo Correia de Sousa****
Orientadores: 
Recebido para publicação:  2016-04-15
Aceite para publicação:  2016-07-26
Tipo:  Artigo
Ano:  2016
DOI:  http://dx.doi.org/10.12707/RIV16033

Resumo
Enquadramento: Os cuidados de enfermagem no contexto da gravidez deverão basear-se num processo de atuação dinâmico, de escuta, confiança, respeito e negociação com os casais.
Objetivos: O presente estudo metodológico teve como objetivo a adaptação cultural para o contexto português da Empowerment Scale for Pregnant Women e respetiva avaliação psicométrica.
Metodologia: O instrumento foi aplicado a uma amostra não probabilística acidental de 166 grávidas, com idade gestacional entre 12 e 41 semanas e com idade igual ou superior a 18 anos. Para avaliar as propriedades métricas da escala recorreu-se à validação de construto e de critério e à análise de consistência interna.
Resultados: A análise dos componentes principais fixada a 5 fatores confirma as dimensões propostas pelas autoras (Autoeficácia, Previsão do Futuro, Autoestima, Apoio e Segurança de Outros e Alegria pela Inclusão de um Novo Membro na Família), explicando 50,76% da variância total. A escala revelou uma consistência interna global de 0,88.
Conclusão: A escala de empowerment da Grávida mostrou ser um instrumento fiável, válido e útil para medir o empowerment das grávidas portuguesas.

Palavras-chave
poder; cuidado pré-natal; grávida
Almeida, M. C., & Pais-Ribeiro, J. L. (2011). Empowerment em adultos na comunidade: Estudo preliminar de adaptação de uma escala para a população portuguesa. In Escola Superior de Enfermagem do Porto, Núcleo de Investigação em Saúde e Qualidade de Vida (Ed.), Saúde e qualidade de vida: Uma meta a atingir (pp. 76-80). Retrieved from http://portal.esenf.pt/www/pk_menus_ficheiros.ver_ficheiro?fich=F721889083/E-book_final.pdf
Beaton, D. E., Bombardier, C., Guillemin, F., & Ferraz, M. B. (2000). Guidelines for the process of cross-cultural adaptation of self-report measures. Spine, 25(24), 3186-3191. doi: 10.1097/00007632-200012150-00014
Carvalho, G. C. (2005). Sentido de coerência, ligação materno fetal e estilo de vida da mulher durante a gravidez (Dissertação de mestrado, Universidade Nova de Lisboa, Escola Nacional de Saúde Pública). Retrieved from http://www.ensp.unl.pt/saboga/soc/pulic/05_sco_vinculo_materno_fetal_gravidez.pdf
Conselho Internacional de Enfermeiros. (2002). Classificação internacional para a prática de enfermagem: CIPE/ICNP: Versão Beta 2. Lisboa, Portugal: Associação Portuguesa de Enfermeiros.
Gibson, C. H. (1991). A concept analysis of empowerment. Journal of Advanced Nursing, 16(3), 354-361. doi: 10.1111/j.1365-2648.1991.tb01660.x
Gibson, C. H. (1995). The process of empowerment in mothers of chronically ill children. Journal of Advanced Nursing, 21(6), 1201-1210. doi: 10.1046/j.1365-2648.1995.21061201.x
Hair, J., Black, W., Babin, B., & Anderson, R. (2010). Multivariate data analysis (7th ed.). New Jersey, USA: Pearson Educational.
Hermansson, E., & Martensson, L. (2011). Empowerment in the midwifery context: A concept analysis. Midwifery, 27(6), 811-816. doi: 10.1016/j.midw.2010.08.005
Kameda, Y., & Shimada, K. (2008). Development of an empowerment scale for pregnant women. Journal of the Tsuruma Health Science Society Kanazawa University, 32(1), 39-48. Retrieved from http://dspace.lib.kanazawa-u.ac.jp/dspace/bitstream/2297/10997/1/AA11599711-32-1-kameda.pdf
Levinson, W., Kao, A., Kuby, A., & Thisted, R. A. (2005). Not all patients want to participate in decision making: A national study of public preferences. Journal of General Internal Medicine, 20(6), 531–535. doi: 10.1111/j.1525-1497.2005.04101.x
Marôco, J. (2010). Análise de equações estruturais: Fundamentos teóricos, software & aplicações. Pêro Pinheiro, Portugal: Report Number.
Organização Mundial de Saúde. (2001). Relatório sobre a saúde no mundo: Saúde mental: Nova conceção, nova esperança. Genebra, Suiça: Autor.
Ribeiro, J. L. (2005). O importante é a saúde: Estudo de adaptação de uma técnica de avaliação do estado de saúde: SF-36. Porto, Portugal: Merck Sharp e Donhme.
Rodwell, C. M. (1996). An analysis of the concept of empowerment. Journal of Advanced Nursing, 23(2), 305-313. doi: 10.1111/j.1365-2648.1996.tb02672.x
Rogers, S. E., Chamberlin, J., Ellison, M. L., & Crean, T. (1997). A consumer-constructed scale to measure empowerment among users of mental health services. Psychiatric Services, 48(8), 1042-1047. Retrieved from https://cpr.bu.edu/wp-content/uploads/2011/11/rogers1997c.pdf
Santos, I. M. (2012). Empoderamento da grávida durante a vigilância da gravidez (Dissertação de mestrado). Instituto Politécnico de Viseu, Portugal.
Silva, D. N. (2014). Empowerment da grávida: Fatores de capacitação para a maternidade (Dissertação de mestrado). Instituto Politécnico de Viseu, Portugal.
Zimmerman, M., & Perkins, D. (1995). Empowerment theory: Research and application. American Journal of Community Phsycology, 23(5), 569-579. doi: 10.1007/BF02506982
Texto integral
Total: 0 registo(s)
05 Rev. Enf. Ref_ RIV16033 ING.pdf
05 Rev. Enf. Ref_ RIV16033.pdf


[ Detalhes da edição ]