Websites | Serviços | Webmail | Ferramentas | Área reservada

Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional
Título:  Significados atribuídos ao conceito de cuidar
Autores:  Paulo Joaquim Pina Queirós*; Elisabete Pinheiro Alves Mendes Fonseca**;
Manuel Augusto Duarte Mariz***; Manuel Carlos Rodrigues Fernandes Chaves****;
Sagrario Gómez Cantarino*****
Orientadores: 
Recebido para publicação:  2016-03-21
Aceite para publicação:  2016-07-01
Secção:  Artigo
Ano:  2016
DOI:  http://dx.doi.org/10.12707/RIV16022

Resumo
Enquadramento: O cuidar é assumido como conceito central em enfermagem e reportado pelos enfermeiros como caracterizador da sua ação. É considerado a essência da enfermagem.
Objetivos: Conhecer os significados atribuídos ao cuidar pelos enfermeiros e por estudantes de enfermagem.
Metodologia: Estudo quantitativo, exploratório-descritivo. Utilizou-se a Escala de Avaliação do Significado de Cuidar (EASC), de 44 itens, 5 dimensões (Cuidar como Característica Humana, Imperativo Moral, Afeto, Relação Interpessoal e como Intervenção Terapêutica). Amostra não probabilística de conveniência com 251 respondentes, 122 estudantes do 1º ano, 48 estudantes do 4º ano do CLE e 81 enfermeiros.
Resultados: Média mais elevada nas dimensões Intervenção Terapêutica e Relação Interpessoal, e mais baixa na Característica Humana e Afeto. As diferenças de médias entre os dois sexos não é estatisticamente significativa para qualquer dimensão e no total da escala.
Conclusão: Ao cuidar é atribuído, sobretudo, o significado de Intervenção Terapêutica e Relação Interpessoal. Obtém pontuações mais reduzidas o cuidar como Imperativo Moral, Afeto e Característica Humana.

Palavras-chave
cuidados de enfermagem; enfermagem; teoria de enfermagem
Benner, P. (2001). De iniciado a perito: Excelência e poder na prática clínica de enfermagem. Coimbra, Portugal: Quarteto.
Bison, R. A., Almeida, D. V., Santos, J. L., & Furegato, A. R. (2013). Validación de la escala de evaluación del significado del cuidado. Cultura de los Cuidados, 17(37), 90-98. doi: 10.7184/cuid.2013.37.09
Boff, L. (1999). Saber cuidar: Ética do humano: Compaixão pela terra. Petrópolis, Brasil: Vozes.
Campia, P. (2013). Formar para a escrita de um acto ou para o acto da escrita? In W. Hesbeen (Ed.), Dizer e escrever a prática do cuidar do quotidiano: À descoberta do sentido do cuidado de saúde (pp.101-147). Loures, Portugal: Lusociência.
Correia, M. A., & Costa, M. A. (2012). Perceção do cuidar de um grupo de estudantes finalistas de enfermagem. Revista de Enfermagem Referência, 3(8), 75-83. doi: 10.12707/RIII11119
Heidegger, M. (2005). Ser e tempo. Petrópolis, Brasil: Editorial Vozes.
Hernández Vergel, L. L., Zequeira Betancourt, D. M., & Miranda Guerra, A. J. (2010). La percepción del cuidado en profesionales de enfermería. Revista Cubana de Enfermería, 26(1), 30-41. Retrieved from http://scielo.sld.cu/pdf/enf/v26n1/enf07110.pdf
Hesbeen, W. (2013). Dizer e escrever a prática do cuidar do quotidiano: À descoberta do sentido do cuidado de saúde. Loures, Portugal: Lusociência.
Honoré, B. (2013). Qual a posição do mundo face ao cuidado com as coisas e com os outros? In W. Hesbeen (Ed.), Dizer e escrever a prática do cuidar do quotidiano: À descoberta do sentido do cuidado de saúde (pp.121-147). Loures, Portugal: Lusociência.
Leininger, M. (1978). The phenomenon of caring: Importance, research questions and theoretical considerations. In M. Leininger (Ed.), Caring, an essential human need: proceedings of three National Caring Conferences. Part I; The phenomena and nature of caring. Salt Lake City, UT: University of Utah.
Leininger, M. (1988). Leininger´s theory of nursing: Cultural care diversity and universality. Nursing Science Quarterly, 1(4), 152-160. doi: 10.1177/089431848800100408
Medina, J. L. (1999). La pedagogía del cuidado: Saberes y práticas en la formación universitaria en enfermería. Barcelona, España: Laertes.
Meleis, A. I. (2012). Theoretical nursing: Development and progress (5th ed.). Philadelphia, PA: Wolters Kluwer/Lippincott Williams & Wilkins.
Morse, J. M., Bottorff, J., Neander, W., & Solberg, S. (1991). Comparative analysis of conceptualizations and theories of caring. Image: Journal of Nursing Scholarship, 23(2), 119-126. doi: 10.1111/j.1547-5069.1991.tb00655.x
Pellegrino, E. (1985). The caring ethics: the relation of physician to patient. In A. H. Bishop & J. R. Scudder (Eds.), Caring, curing, coping: Nurse, physician, patient relationships. Birmingham, England: University of Alabama Press.
Queirós, P. J. (2015). Cuidar: a condição de existência humana ao cuidar integral profissionalizado. Revista de Enfermagem Referência, 4(5), 139-146. doi: 10.12707/RIV14079
Rocha, Z. (2011). A ontologia heideggeriana do cuidado e suas ressonâncias clínicas. Síntese: Revista de Filosofia, 38(120), 71-90.
Rodrigues, C. C., Carvalho, D. P., Salvador, P. T., Medeiro, S. M., Menezes, R. M., Júnior, M. A., & Pereira, V. E. (2016). Ensino inovador de enfermagem a partir da perspectiva das epistemologias do Sul. Escola Anna Nery, 20(2), 384-389. doi: 10.5935/1414-8145.20160053
Roselló, F. T. (2009). Antropologia do cuidar. Petrópolis, Portugal: Vozes.
Sebold, L. F., Kempfer, S. S., Radunz, V., Prado, M. L., Tourinho, F. S., & Girondi, J. B. (2016). Cuidar é … percepções de estudantes de enfermagem: Um olhar heideggeriano. Escola Anna Nery, 20(2), 243-247. doi: 10.5935/1414-8145.20160032
Texto integral
Total: 0 registo(s)
09 Rev. Enf. Ref_ RIV16022 ING.pdf
09 Rev. Enf. Ref_ RIV16022.pdf


[ Detalhes da edição ]