Websites | Serviços | Webmail | Ferramentas | Área reservada

Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional
Título:  Estratégias de autogestão da fadiga nos sobreviventes de cancro: revisão sistemática da literatura
Autores:  Tiago André dos Santos Martins Peixoto*; Nuno Miguel dos Santos Martins Peixoto**;
Célia Samarina Vilaça de Brito Santos***; Cândida Assunção Santos Pinto****Daisy Maria Rizatto Tronchin***
Orientadores: 
Recebido para publicação:  2016-03-23
Aceite para publicação:  2016-07-15
Secção:  Artigo
Ano:  2016
DOI:  http://dx.doi.org/10.12707/RIV16023

Resumo
Contexto: A fadiga, para além do impacto significativo que tem na qualidade de vida do sobrevivente de cancro, constitui uma condição que influência a autogestão e a transição saúde-doença.
Objetivos: Identificar, através de uma revisão da literatura, as estratégias de gestão da fadiga utilizadas pelos sobreviventes de cancro no final dos tratamentos.
Método de revisão: Estudo de revisão sistemática da literatura segundo o modelo da Joanna Briggs Institute. De um total de 815 artigos encontrados, 8 foram incluídos.
Interpretação dos resultados: Estratégias no âmbito do exercício físico, conservação de energia, gestão da sintomatologia associada à doença oncológica, perceção de autoeficácia, estilo de coping, redes sociais e apoio social podem contribuir eficazmente para a redução e controlo dos níveis de fadiga, e promover a gestão da doença que potencia a adaptação à nova condição.
Conclusão: Estratégias no âmbito do exercício físico, gestão da sintomatologia associada à doença, perceção de autoeficácia, estilos de coping utilizados e apoio social são eficazes na autogestão da fadiga na fase de sobrevivência.

Palavras-chave
fadiga; cancro; sobreviventes; autocuidado; autogestão
Bastos, F. (2011). A pessoa com doença crónica, uma teoria explicativa sobre a problemática da gestão da doença e do regime terapêutico (Tese de doutoramento). Universidade Católica do Porto, Instituto de Ciências da Saúde, Portugal.
Bower, J. E., Bak, K., Berger, A., Breitbart, W., Escalante, C., Ganz, P., ... Jacobsen, P. (2014). Screening, assessment, and management of fatigue in adult survivors of cancer: An American society of clinical oncology clinical practice guideline adaptation. Jornal of Clinical Oncology, 22(17), 1840-1851. doi:10.1200/JCO.2013.53.4495 JCO.2013.53.4495
Feuerstein, M. (2007). Defining cancer survivorship. The Journal of Cancer Survivorship: Research and Practice, 1(1), 5-7. doi:10.1007/s11764-006-0002-x
International Agency for Research on Cancer. (2012). Estimated cancer incidence, mortality and prevalence worldwide in 2012. Retrieved from http://globocan.iarc.fr/Pages/fact_sheets_population.aspx
Joanna Briggs Institute. (2011) Joanna Briggs Institute Reviewers’ Manual: 2011 edition. Retrieved from http://joannabriggs.org/assets/docs/sumari/reviewersmanual-2011.pdf
John, L. D. (2010). Self-care strategies used by patients with lung cancer to promote quality of life. Oncology Nursing Forum, 37(3),339-347. doi:10.1188/10.ONF.339-347
Koornstra, R., Peters, M., Donofrio, S., Borne, B., & Jong, F. (2014). General and supportive care, management of fatigue in patients with cancer: A practical overview. Cancer Treatment Reviews, 40(6), 791-799. doi:10.1016/j.ctrv.2014.01.004
Marquez, D. X., Jerome, G. J., McAuley, E., Snook, E. M., & Canaklisova, S. (2002). Self-efficacy manipulation and state anxiety responses to exercise in low active women. Psychology and Health, 17(6),783-791. doi:10.1080/0887044021000054782
National Comprehensive Cancer Network. (2014). NCCN clinical practice guidelines in oncology: Cancer-related fatigue: Version 1. Retrieved from https://s3.amazonaws.com/pfizerpro.com/fixtures/oncology/docs/NCCNFatigueGuidelines.pdf
Organização Mundial de Saúde (2008). Cancer Control: Knowledge Into Action: WHO Guide for Effective Programmes: Module 4: Diagnosis and Treatment. Retrieved from http://www.ncbi.nlm.nih.gov/books/NBK179046/
Organização Mundial de Saúde. (2005). Prevenção de doenças crónicas um investimento vital. Retrieved from http://www.who.int/chp/chronic_disease_report/part1_port.pdf
Pais-Ribeiro, J. (2007). Introdução à psicologia da saúde (2ª ed.). Coimbra, Portugal: Quarteto.
Pereira, N. & Botelho, M. (2012). Experiência Vivida dos Sobreviventes de Cancro do Colón e Reto após Tratamento com Intenção Curativa: Revisão Sistemática da Literatura; Pensar Enfermagem; vol. 16; nº1; 1º semestre; 2012;
Pinto, C. (2007). Jovens e adultos sobreviventes de cancro: Variáveis psicossociais associadas à otimização da saúde e qualidade de vida após o cancro (Ph.D. Thesis). Universidade do Porto, Faculdade de Psicologia e Ciências da Educação, Portugal.
Roesch, S. C., Adams, L., Hines, A., Palmores, A., Vyas, P., Tran C., ... Vaughn, A. A. (2005). Coping with prostate cancer: A meta-analytic review. Journal of Behavioral Medicine, 28(3), 281-293. doi:10.1007/s10865-005-4664-z
Schjolberg, T., Dodd, M., Henriksen, N., Asplund, K., Smastuen, M., & Rustoen, T. (2014). Effects of an educational intervention for managing fatigue in women with early stage breast cancer. European Journal of Oncology Nursing, 18(3), 286-294. doi:10.1016/j.ejon.2014.01.008
Schwartz, C. L. (2003). Health status of childhood cancer survivors: Cure is more than the eradication of cancer. Journal of the American Medical Association, 290(12),1641-1643. doi:10.1001/jama.290.12.1641
Von Korff, M., Gruman, J., Schaefer, J., Curry, S. J., & Wagner, E. H. (1997). Collaborative management of chronic illness. Annals of Internal Medicine, 127(12), 1097-10102. doi:10.7326/0003-4819-127-12-199712150-00008
Texto integral
Total: 0 registo(s)
12 Rev. Enf. Ref_ RIV16023 ING.pdf
12 Rev. Enf. Ref_ RIV16023.pdf


[ Detalhes da edição ]