Websites | Serviços | Webmail | Ferramentas | Área reservada

Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional
Título:  Monitorização da dor na pessoa em situação crítica: uma revisão integrativa da literatura
Autores:  Joana Moreira Ferreira Teixeira*; Maria Cândida Durão**
Orientadores: 
Recebido para publicação:  2016-03-30
Aceite para publicação:  2016-07-18
Secção:  Artigo
Ano:  2016
DOI:  http://dx.doi.org/10.12707/RIV16026

Resumo
Contexto: A dor está quase sempre presente na pessoa em situação crítica, tendo esta impacto no estado geral do indivíduo. Por este facto, a gestão da dor torna-se essencial, envolvendo a sua avaliação, monitorização e tratamento, através do uso de escalas e indicadores de monitorização da dor adequados, que permitam identificar a sua intensidade e avaliar a eficácia das intervenções implementadas.
Objetivo: Conhecer as escalas/indicadores a utilizar na monitorização da dor da pessoa em situação crítica.
Metodologia: Revisão integrativa da literatura, realizada através da pesquisa de trabalhos publicados e literatura cinzenta, pesquisa de artigos nas bases de dados MEDLINE, CINAHL e Cochrane Central Register of Controlled Trials.
Resultados: Identificaram-se 34 resultados, dos quais se selecionaram 7 documentos finais para extração e análise.
Conclusão: As escalas BPS, BPAS e CPOT são apontadas como as escalas mais adequadas para avaliação da dor no doente crítico. Os indicadores de dor referidos são a variação do diâmetro pupilar, a assincronia do ventilador, a inquietude e os movimentos do corpo, expressão facial e as vocalizações.

Palavras-chave
doente crítico; dor; monitorização; avaliação; escalas; indicadores
Arif-Rahu, M., & Grap, M. (2010). Facial expression and pain in the critically ill non-communicative patient: State of science review. Intensive and Critical Care Nursing, 26(6),343–352. doi: 10.1016/j.iccn.2010.08.007
Barreira, A., & Gomes, O. (2008). Avaliação e registo da dor : Um imperativo em enfermagem. Retrieved from http://www.infiressources.ca/fer/depotdocuments/Avaliacao_da_dor-O_Gomes-mars2010.pdf
Conselho Internacional de Enfermeiros. (2010). CIPE versão 2: Classificação internacional para a prática de enfermagem. Lisboa, Portugal: Ordem dos Enfermeiros.
Direção-Geral de Saúde. (2003). A dor como 5o sinal vital: Registo sistemático da intensidade da dor (Circular Normativa nº 9 CGDG, de 14/06/2013). Retrieved from http://www.myos.com.pt/files/circular5sinalvital.pdf
Ferreira, N., Miranda, C., Leite, A., Revés, L., Serra, I., Fernandes, A. P., & Freitas, P. T. (2014). Dor e analgesia no doente crítico. Revista Clínica do Hospital Prof. Doutor Fernando Fonseca, 2(2), 17-20. Retrieved from http://repositorio.hff.min-saude.pt/bitstream/10400.10/1383/1/95-213-1-SM.pdf
Gélinas, C., Arbour, C., Michaud, C., Robar, L., & Côté, J. (2013). Patients and ICU nurses’ perspectives of non-pharmacological interventions for pain management. Nursing in Critical Care, 18(6), 307–318. doi: 10.1111/j.1478-5153.2012.00531.x
Haslam, L., Dale, C., Knechtel, L., & Rose, L. (2012). Pain descriptors for critically ill patients unable to self-report. Journal of Advanced Nursing, 68(5), 1082–1089. doi: 10.1111/j.1365-2648.2011.05813.x
Howard, P., & Steinmann, R. (2011). Enfermagem de urgência: Da teoria à prática (6a ed.). Loures, Portugal: Lusociência.
Joanna Briggs Institute. (2014). Joanna Briggs Institute reviewers’ manual: 2014 edition. Retrieved from http://joannabriggs.org/assets/docs/sumari/reviewersmanual-2014.pdf
Maria, A., Sallum, C., Garcia, D. M., & Sanches, M. (2010). Dor aguda e crônica: Revisão narrativa da literatura. Acta Paulista de Enfermagem, 25(Esp.), 150–154. doi: 10.1590/S0103-21002012000800023
Marques, M. (2009). O fenómeno da dor numa unidade de cuidados intensivos (Dissertação de mestrado não publicada). Retrieved from https://repositorio.cespu.pt/handle/20.500.11816/136
Nürnberg Damström, D., Saboonchi, F., Sackey, P. V., & Björling, G. (2011). A preliminary validation of the Swedish version of the critical-care pain observation tool in adults. Acta Anaesthesiologica Scandinavica, 55(4), 379–386. doi: 10.1111/j.1399-6576.2010.02376.x
Odhner, M., Wegman, D., Freeland, N., Steinmtez, A., & Ingersoll, G. (2003). Assessing pain control in nonverbal critically ill adults. Dimensions of Critical Care Nursing, 22(6), 260-267. doi: 10.1097/00003465-200311000-00010
Ordem dos Enfermeiros. (2008). Dor: Guia orientador de boa prática. Retrieved from http://www.ordemenfermeiros.pt/publicacoes/Documents/cadernosoe-dor.pdf
Paulus, J., Roquilly, A., Beloeil, H., Théraud, J., Asehnoune, K., & Lejus, C. (2013). Pupillary reflex measurement predicts insufficient analgesia before endotracheal suctioning in critically ill patients. Critical Care, 17(4), R161. doi: 10.1186/cc12840
Sarmento, P., Marcos, A., Fonseca, C., Marques, M., Lemos, P., & Vieira, V. (2013). Recomendações para o tratamento da dor aguda pós-operatória em cirurgia ambulatória. Retrieved from http://www.apca.com.pt/documentos/anestesia/recomendacao_DorAguda.pdf
Skrobik, Y. (2008). Pain may be inevitable; Inadequate management is not. Critical Care, 12(2), 142. doi: 10.1186/cc6865
Tomey, A. M., & Alligood, M. R. (2002). Teóricas de enfermagem e a sua obra. Lisboa, Portugal: Lusociência.
Urden, L., Stacy, K., & Lough, M. (2008). Enfermagem de cuidados intensivos (5a ed.). Loures, Portugal: Lusodidacta
Texto integral
Total: 0 registo(s)
14 Rev. Enf. Ref_ RIV16026 ING.pdf
14 Rev. Enf. Ref_RIV16026.pdf


[ Detalhes da edição ]