Websites | Serviços | Webmail | Ferramentas | Área reservada

Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional
Título:  Processos desenvolvidos por gestores de enfermagem face ao erro
Autores:  Tânia Sofia Pereira Correia*; Maria Manuela Ferreira Pereira da Silva Martins**; Elaine Cristina Novatzki Forte***
Orientadores: 
Recebido para publicação:  2016-10-10
Aceite para publicação:  2017-01-03
Secção:  Artigo de Investigação
Ano:  2017
DOI:  https://doi.org/10.12707/RIV16073

Resumo
Enquadramento: No contexto atual de promoção da segurança do doente, os enfermeiros gestores assumem um papel preponderante nos cuidados de saúde.
Objetivos: Conhecer as perceções dos enfermeiros gestores e identificar estratégias de gestão face ao erro, analisar as medi-das corretivas e preventivas implementadas pelos mesmos.
Metodologia: Estudo qualitativo fundamentado na teoria de James Reason, realizado através de entrevista semiestruturada a 14 enfermeiros gestores de um centro hospitalar da região centro de Portugal, escolhidos por conveniência. Realizada análise de conteúdo com recurso ao software ATLAS.ti.
Resultados: Foram identificadas 8 categorias agrupadas em duas áreas temáticas. Na abordagem individual identificaram-se as categorias: Análise com o enfermeiro, e Comunicar ao médico na abordagem sistémica; Análise com a equipa, Notificação de eventos adversos, Grupo de trabalho, Sensibilização, Análise de reclamações e Reforço positivo.
Conclusão: As categorias do âmbito sistémico superam em número as do âmbito individual, os entrevistados salientaram a necessidade de melhoria na adesão à notificação, e não foram explícitas estratégias para prevenção de erros.



Palavras-chave
segurança do paciente; gestão da segurança; gestão de riscos; cuidados de enfermagem
Agnew, C., & Flin, R. (2014). Senior charge nurses’ leadership behaviours in relation to hospital ward safety: A mixed method study. International Journal of Nursing Studies, 51(5), 768–780. doi: 10.1016/j.ijnurstu.2013.10.001
Alahmadi, H. A. (2010). Assessment of patient safe¬ty culture in Saudi Arabian hospitals. Quality and Safety in Health Care, 19(5),1-5. doi: 10.1136/qshc.2009.033258
Despacho nº 1400-A/2015 de 10 de Fevereiro. Diário da Républica nº 28/2015 – 2ª Série. Ministério da Saúde, Gebinete do Secretário de Estado Adjunto do Minis¬tro da Saúde. Lisboa, Portugal.
Direção-Geral da Saúde.(2014). Sistema Nacional de Notificação de Incidentes: NOTIFICA (Norma nº 015/2014, de 25 de Setembro). Recuperado de ht¬tps://www.dgs.pt/directrizes-da-dgs/normas-e-circu¬lares-normativas/norma-n-0152014-de-25092014.aspx
Ferreira, M., Alves, F., & Jacobina, F. (2014). O profissio¬nal de enfermagem e a administração segura de medi¬camentos. Revista Enfermagem Contemporânea, 3(1), 61-69. doi: 10.17267/2317-3378rec.v3i1.208
Flyn, R., & Yule, S. (2004). Leadership for safety: Indus¬trial experience. Quality and Safety in Health Care, 13(Suppl. 2), ii45–ii51. doi: 10.1136/qhc.13.sup¬pl_2.ii45
Fortin, M. F. (2009). Fundamentos e etapas do processo de investigação. Loures, Portugal: Lusodidacta.
Farokhzadian, J., Nayeri, N. D., & Borhani F. (2015). Assessment of clinical risk management system in hospitals: An approach for quality improvement. Global Journal of Health Science, 7(5), 294-303. doi: 10.5539/gjhs.v7n5p294
Fragata, J. (2009). Gestão do risco. In L. Campos, M. Borges & R. Portugal (Eds.), Governação dos hospitais (pp.16-18). Alfragide, Portugal: Casa das Letras.
Fragata, J. I. (2010). A segurança dos doentes: Indicador de qualidade em saúde. Revista Portuguesa de Clíni¬ca Geral, 26(6), 564-560. Recuperado de http://bibliobase.sermais.pt:8008/BiblioNET/Upload/PDF6/004449_RevPortCliGeral.pdf
Institute of Medicine. (1999). To err is human: Building a safer health system. Washington DC, USA: The Natio¬nal Academy Press.
Ordem dos Enfermeiros, Conselho de Enfermagem. (2001). Padrões de qualidade dos cuidados de enferma¬gem: Enquadramento conceptual enunciados descritivos. Lisboa, Portugal: Autor.
Organização Mundial de Saúde. (2011). Estrutura con¬ceptual da classificação internacional sobre segurança do doente. Lisboa, Portugal: Direcção-Geral da Saúde.
Reason, J.( 2000). Human error: Models and manage¬ment. BJM, 320(7237), 768-770. doi: 10.1136/bmj.320.7237.768
Silva, A., Silva, J., Santos, L., Avelino, F., Santos, A., & Pereira, A. (2016). A segurança do paciente em âmbito hospitalar: Revisão integrativa da literatura. Cogitare Enfermagem, 21(5), 01-09. doi: 10.5380/ce.v21i5.37763
Sousa, P. (2006). Patient safety: A necessidade de uma estratégia nacional. Acta Médica Portuguesa, 19(4), 309-318. Recuperado de http://actamedicaportugue¬sa.com/revista/index.php/amp/article/view/964/637
Sousa, P., Uva, A. S., & Serranheira, F. (2010). Inves¬tigação e inovação em segurança do doente. Revis¬ta Portuguesa de Saúde Pública, Vol. temático(10), 89-95. Recuperado de http://www.cdi.ensp.unl.pt/docbweb/multimedia/rpsp2010-t%20seg%20doente/10-investiga%C3%A7%C3%A3o%20e%20inova%C3%A7%C3%A3o%20em%20seguran%-C3%A7a%20do%20doente.pdf
Wachter, R. (2010). Compreendendo a segurança do pa¬ciente. Porto Alegre, Brasil: Artmed.
World Health Organization. (2004). World Alliance for Patient Safety: Forward programme 2005. Geneva, Switzerland: Author.
Texto integral
Total: 0 registo(s)
REF_Mar2017_75to84_port.pdf
REF_Mar2017_75to84_eng.pdf


[ Detalhes da edição ]