Websites | Serviços | Webmail | Ferramentas | Área reservada

Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional
Título:  Stresse em serviço de urgência e os desafios para enfermeiros brasileiros e portugueses
Autores:  Joana D’Arc de Souza*; João Mário Pessoa Júnior**; Francisco Arnoldo Nunes de Miranda***
Orientadores: 
Recebido para publicação:  2016-10-08
Aceite para publicação:  2017-01-05
Tipo:  Artigo de Investigação
Ano:  2017
DOI:  https://doi.org/10.12707/RIV16064

Resumo
Enquadramento: O stresse em serviço de urgência configura-se como um dos principais problemas de saúde públi¬ca, repercutindo-se de forma negativa na vida dos trabalhadores.
Objetivos: Analisar a opinião de enfermeiros brasileiros e portugueses sobre o stresse em serviço de urgência.
Metodologia: Estudo descritivo de abordagem qualitativa, realizado com 120 enfermeiros em 2 serviços públicos de saúde, um no Brasil e outro em Portugal. Os dados foram colhidos através de entrevistas semiestruturadas, pro¬cessados pelo software Alceste versão 4.7 e interpretados com análise temática de conteúdo.
Resultados: Elaboraram-se 2 blocos temáticos: o trabalho no setor de urgência e a sua interface com o stresse, e o setor de urgência: cenários e desafios.
Conclusão: Os enfermeiros compreendem o stresse em serviço de urgência com sentimentos de insatisfação, con¬figurando um trabalho constituído de dificuldades, perpassado pela impossibilidade de atender às necessidades dos usuários segundo os padrões da dignidade humana.



Palavras-chave
esgotamento profissional; enfermagem; emergências; saúde do trabalhador
Almeida, M. L., Segui, M. L., Maftum, M. A., Labronice, L. M., & Peres, A. M. (2011). Instrumentos gerenciais utilizados na tomada de decisão do enfermeiro no contexto hos¬pitalar. Texto Contexto Enfermagem, 20(esp.), 131-137. doi:10.1590/S0104-07072011000500017
Assis, M. R., Caraúna, H., & Karine, D. (2015). Análise do es¬tresse ocupacional em profissionais da saúde. Conexões PSI, 3(1), 62-71.
Azevedo, D. M., Costa, R. K., & Miranda, F. A. (2013). Uso do Alceste na análise de dados qualitativos: Contribuições na pesquisa em enfermagem. Revista de Enfermagem UFPE On Line, 7(esp.), 5015-5022. doi:10.5205/reuol.4700-39563-1-ED.0707esp201326
Bardin, L. (2009). Análise de conteúdo. Lisboa, Portugal: Edições 70.
Bezerra, F. N., Silva, T. M., & Ramos, V. P. (2012). Estresse ocupa¬cional dos enfermeiros de urgência e emergência: Revisão integrativa da literatura. Acta Paulista de Enfermagem, 25(2 esp.), 151-156. doi:10.1590/S0103-21002012000900024
Craveiro, I. M., Hortale, V. A., Oliveira, A. P., & Dussault, G. (2015). Desigualdades sociais, políticas de saúde e forma¬ção de médicos, enfermeiros e dentistas no Brasil e em Portugal. Ciência & Saúde Coletiva, 20(10), 2985-2998. doi:10.1590/1413-812320152010.19292014
Freitas, R. J., Lima, E. C., Vieira, E. S., Feitosa, R. M., Oliveira, G. Y., & Andrade, L. V. (2015). Estresse do enfermeiro no setor de urgência e emergência. Revista de Enfermagem UFPE On Line, 9(Sup. 10), 1476-1483. doi:10.5205/reuol.8463-73861-2-SM.0910sup201514
Gomes, S. F., Santos, M. M., & Carolino, E. T. (2013). Riscos psicossociais no trabalho: Estresse e estratégias de coping em enfermeiros em oncologia. Revista Latino-America¬na de Enfermagem, 21(6), 1282-1289. doi:10.1590/0104-1169.2742.2365
Lipp, M. E. (2014). Manual do inventário de sintomas de stress para adultos de Lipp. São Paulo, Brasil: Casa do Psicólogo.
Martins, J. T., Bobroff, M. C., Ribeiro, R. P., Robazzi, M. L., Mar¬ziale, M. H., & Haddad, M. C. (2013). Significados de cargas de trabalho para enfermeiros de pronto socorro/emergência. Ciencia, Cuidado e Saude, 12(1), 40-46. doi:10.4025/cienc¬cuidsaude.v12i1.16459
Menezes, S. R., Priel, M. R., & Pereira, L. L. (2011). Autonomia e vulnerabilidade do enfermeiro na prática da sistemati-zação da assistência de enfermagem. Revista da Escola de Enfermagem USP, 45(4), 953-958. doi:10.1590/S0080-62342011000400023
Oliveira, J. D., Alchiere, J. C., Pessoa Júnior, J. M., Miranda, F. A., & Almeida, M. G. (2013). Nurses’ social representations of work-related stress in an emergency room. Revista da Esco¬la de Enfermagem USP, 47(4), 984-989.doi:10.1590/S0080-623420130000400030
Oliveira, J. D., Pessoa Júnior, J. M., Miranda, F. A., Cavalcante, E. S., & Almeida M. G. (2014). Stress of nurses in emergen¬cy care: A social representations study. Online Brazilian Journal of Nursing, 13(2), 150-157. doi:10.5935/1676-4285.20144342
Papathanassoglou, E. D., Karanikola, M. N., Kalafati, M., Gi¬annakopoulou, M., Lemonidou, C., & Albarran, J. W. (2012). Professional autonomy, collaboration with physi¬cians, and moral distress among European intensive care nurses. American Journal of Critical Care, 21(2), 41-53. doi:10.4037/ajcc2012205
Sadock, B. J, & Sadock, V. A. (2011). Compêndio de psiquiatria: Ciência do comportamento e psiquiatria clínica (9ª ed.). Porto Alegre, Brasil: Artmed.
Santos, R. C., Miranda, F. A. (2014). The roles of the professional and the policies of mental health in the city of Natal, Brazil: An analytic study. Online Brazilian Journal of Nursing,13 (sup. 1), 475-477.
Selye, H. (2005). Stress of life. New York, USA:McGraw-Hill.
Silva, A. H., & Fossá, M. I. (2015). Análise de conteúdo: Exemplo de aplicação da técnica para análise de dados qualitativos. Qualitas Revista Eletrônica, 16(1), 1-14. doi:10.18391/qua¬litas.v16i1.2113
Teixeira, C. A., Reisdorfer, E., & Gherardi-Donat, E. C. (2014). Estresse ocupacional e coping: Reflexão acerca dos concei-tos e a prática de enfermagem hospitalar. Revista Enferma¬gem UFPE On Line, 8(sup.1), 2528-2532. doi:10.5205/reu-ol.5927-50900-1-SM.0807supl201443

Texto integral
Total: 0 registo(s)
REF_Mar2017_107to116_port.pdf
REF_Mar2017_107to116_eng.pdf


[ Detalhes da edição ]