Websites | Serviços | Webmail | Ferramentas | Área reservada

Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional
Título:  Estratégias de autogestão da ansiedade nos sobreviventes de cancro: revisão sistemática da literatura
Autores:  Nuno Miguel dos Santos Martins Peixoto*; Tiago André dos Santos Martins Peixoto**; Cândida Assunção Santos Pinto***; Célia Samarina Vilaça de Brito Santos****
Orientadores: 
Recebido para publicação:  2016-03-23
Aceite para publicação:  2016-10-18
Secção:  Artigo de Revisão/Artigos Teóricos-Ensaios
Ano:  2017
DOI:  https://doi.org/10.12707/RIV16024

Resumo
Enquadramento: A ansiedade é uma condição que pode dificultar a capacidade do sobrevivente de cancro em se adaptar à nova con¬dição da vida, influenciar a autogestão e o processo saúde-doença.
Objetivos: Conhecer as estratégias de gestão da ansiedade utilizadas pelos sobreviventes de cancro, após o fim dos tratamentos, que favorecem a gestão da doença.
Método de revisão: Estudo de revisão sistemática da literatura segundo o modelo do Instituto Joanna Briggs. Dos 1.483 artigos encon¬trados nas bases de dados, 12 foram incluídos.
Interpretação dos resultados: As estratégias relacionadas com o exercício físico, a perceção da doença, o coping, o apoio social e o controlo das interações negativas podem ter efeitos benéficos na redução dos níveis de ansiedade e promover uma adequada gestão da doença.
Conclusão: A prática de atividade física, as estratégias de coping menos fatalistas, as estratégias de coping focadas nos aspetos positivos (otimismo), o apoio social (formal ou informal) e as estratégias que reduzem as interações negativas podem ter efeitos benéficos na redução da ansiedade.



Palavras-chave
ansiedade; cancro; sobreviventes; autocuidado
Aziz, N. M., & Rowland, J. H. (2003). Trends and advances in cancer survivorship research: Challenge and opportunity. Seminars in Radiation Oncology, 13, 248–266.
Baptista, A. (2000). Perturbações do medo e da ansie¬dade: Uma perspectiva evolutiva e desenvolvimental. In I. Soares, Psicopatologia do desenvolvimento: Tra¬jectórias adaptativas ao longo da vida (pp. 89-141). Coimbra, Portugal: Quarteto.
Bayés, R. (2008). El impacto emocional del cáncer. Ei¬don: Revista de la Fundación de Ciencias de la Salud, 28, 11-15.
Bernstein, D. A. (1981). Anxiety Management. In W. E. Craighead, A. E. Kazdin, & M. J. Mahoney, Behav¬ior Modification. Principles, issues, and applications. Boston: Houghton Mifflin Company, 205-222.
Campbell-Sills, L., Barlow, D. & Brown, T., Hofmann, S. (2006). Acceptability and suppression of negative emotion in anxiety and mood disorders. Emotion, 6(4), 587-595.
Dow, K., & Loerzel, V. (2005). Cancer survivorship: A critical aspect of care. In C. H. Yarbro, D. Y Wu¬jcik, & B. H. Gobel, Cancer nursing. principles and practice (6ª ed., pp. 1665-1675). Boston, MA: Jonas and Bartlet.
Dutch Association of Comprehensive Cancer Centers (2010) - Guideline: Screening for psychological distress. Utrecht: Integraal Kankercentrum Nederland.
Feuerstein, M. (2007). Defining cancer survivorship. Journal of Cancer Survivorship: Research and Practice, 1(1), 5-7.
International Agency for Research on Cancer. (2013). GLOBOCAN 2012: Cancer incidence and mortality worldwide. Recuperado de http://globocan.iarc.fr/Default.aspx.
Joanna Briggs Institute. (2011). Joanna Briggs Institute reviewers’ manual: 2011 edition. Adelaide, Australia: Author.
Jones, S., Hadjistavropoulos, H., & Sherry, S. (2012). Health anxiety in women with early-stage breast can¬cer: What is the relationship to social support? Cana¬dian Journal of Behavioural Science, 44(2), 108-116.
Meleis, A., Sawyer, L., Messias, D., & Shumacher, K. (2000). Experiencing transitions: An emerging mid¬dle-range theory. Advances in Nursing Science, 23(1), 12-28.
Mullan, F. (1985). Seasons of survival: Reflections of a physician with cancer. New England Journal of Med¬icine, 313, 170–173.
Mckenzie, H., & Crouch, M. (2004). Discordant feel¬ings in the life world of cancer survivors. Health, 8(2), 139-157.
Petticrew, M., Bell, R., & Hunter, D. (2002). Influence of psychological coping on survival and recurrence in people with cancer: systematic review. British Me¬dical Journal, 325(7372), 1066-1069.
Pinto, C. (2007). Jovens e adultos sobreviventes de cancro: Variáveis psicossociais associadas à otimização da saúde e qualidade de vida após o cancro (Doctoral thesis). Universidade do Porto, Faculdade de Psicologia e Ciências da Educação, Portugal.
Shmitz, K. S., Matthews, C., Demark-Wahnefried, W., Galvão, P., Pinto, B. M., Irwin, M. L., … Ameri¬can College of Sports Medicine. (2010). American College of Sports Medicine roundtable on exercise guidelines for cancer survivors. Medicine and Sci¬ence in Sports and Exercise, 42(7), 1409-1426. doi: 10.1249/MSS.0b013e3181e0c112
Stark, D. & House, A. (2000). Anxiety in cancer pa¬tients. British Journal of Cancer, 83(10), 1261–1267.
Stark, D., Kiely, M., Smith, A., Velikova, G., House, A., & Selby, P. (2002). Anxiety disorders in cancer patients: Their nature, associations, and relation to quality of life. Journal of Clinical Oncology, 20(14), 3137-3148.
Vacek, P., Winstead-Fry, P., Secker-Walker, R.,Hooper, G., & Plante, D. (2003). Factors influencing quality of life in breast cancer survivors. Quality of Life Re¬search, 12(5), 527-537.
Texto integral
Total: 0 registo(s)
REF_Mar2017_143to154_port.pdf
REF_Mar2017_143to154_eng.pdf


[ Detalhes da edição ]