Websites | Serviços | Webmail | Ferramentas | Área reservada

Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional
Título:  Aprendizagem e desenvolvimento em contexto de prática simulada
Autores:  José Carlos Amado Martins*
Orientadores: 
Recebido para publicação:  2016-10-17
Aceite para publicação:  2016-11-29
Secção:  Artigo de Revisão/Artigos Teóricos-Ensaios
Ano:  2017
DOI:  https://doi.org/10.12707/RIV16074

Resumo
Enquadramento: O presente documento dá suporte à comunicação com o mesmo título, apresentada no V Congresso
de Investigação em Enfermagem Iberoamericano e de Países de Língua Oficial Portuguesa. Apresenta um
conjunto de argumentos que sustentam a utilização da prática simulada no ensino de enfermagem.
Objetivos: Analisar os contributos da prática simulada para a aprendizagem e o desenvolvimento do enfermeiro e
da enfermagem.
Metodologia: Estudo teórico alinhado pelo conhecimento e experiência do autor, e que utiliza algumas evidências
recentes, de forma a conferir maior consistência aos mesmos.
Resultados: É enfatizada a importância da simulação, enquanto estratégia pedagógica, para o processo de construção
das competências para o exercício da enfermagem, trazendo como bases justificativas as dimensões da ética e da
estética, do conhecimento, da eficiência e da efetividade, da emoção e da relação, da liderança e, inevitavelmente,
da segurança do doente.
Conclusão: A simulação é uma estratégia pedagógica efetiva, com resultados positivos para o ensino e desenvolvimento
da enfermagem, justificando-se maior investimento na área.



Palavras-chave
enfermagem; aprendizagem; educação; simulação
Baptista, R., Martins, J., Pereira, M., & Mazzo, A. (2014).High-fidelity simulation in the nursing degree: Gains
perceived by students. Revista de Enfermagem Referência, 4(1), 131-140. doi: 10.12707/RIII13169
Baptista, R., Pereira, F., & Martins, J. (2016). Perception of nursing students on high-fidelity practices: A phenomenological study. Journal of Nursing Education and Practice, 6(8), 10-21. doi: 10.5430/jnep.v6n8p10
Blum, C., & Parcells, D. (2012). Relationship between high-fidelity simulation and patient safety in prelicensure nursing education: A comprehensive review. Journal of Nursing Education, 51(8), 429-435. doi: 10.3928/01484834-20120523-01
Buxton, M., Phillippi, J., & Collins, M. (2014). Simulation: A new approach to teaching ethics. Journal of Midwifery
& Women’s Health, 60(1), 70-74. doi: 10.1111/ jmwh.12185
Coutinho, V., Martins, J., & Pereira, M. (2014). Construction and validation of the Simulation Debriefing Assessment Scale (Escala de Avaliação do Debriefing associado à Simulação - EADaS). Revista de Enfermagem Referência, 4(2), 41-50. doi: 10.12707/RIII1392
Durham, C. (2014). President’s Message: patient safety the focus of health care simulation. Clinical Simulation in Nursing, 10(1), e1-e54. doi: 10.1016/j.ecns.2013.12.001
Foronda, C., Liu, S., & Bauman, E. (2013). Evaluation of simulation in undergraduate nurse education: An integrative review. Clinical Simulation in Nursing, 9(10), e409-e4l6. doi: 10.1016/j.ecns.2012.11.003
Jeffries, P. (Org.). (2007). Simulation in nursing education: From conceptualization to evaluation. New York, NY: National League for Nursing.
Lee, J., & Oh, P. (2015). Effects of the use of high-fidelity human simulation in nursing education: A meta-analysis. Journal of Nursing Education, 54(9), 501-507. doi: 10.3928/01484834-20150814-04
Martins, J., Mazzo, A., Baptista, R., Coutinho, V., Godoy, S., Mendes, I., & Trevizan, M. (2012). The simulated clinical experience in nursing education: A historical review. Acta Paulista de Enfermagem, 25(4), 619-625. doi:
10.1590/S0103-21002012000400022
Martins, J., Mazzo, A., Mendes, I., & Rodrigues, M. (2014). A simulação no ensino de enfermagem. Coimbra, Portugal: Unidade de Investigação em Ciências da Saúde: Enfermagem/Escola Superior de Enfermagem de Coimbra.
McGaghie, W., Draycott, T., Dunn, W., Lopez, C., & Stefanidis, D. (2011). Evaluating the impact of simulation
on translational patient outcomes. Simulation in Healthcare, 6(Suppl.), S42-S47. doi: 10.1097/SIH.0b013e318222fde9
Meakim, C., Boese, T., Decker, S., Franklin, A., Gloe, D., Lioce, L., . . . Borum, J. (2013). Standards of best practice: Simulation standard I: Terminology. Clinical Simulation in Nursing, 9(6S), S3-S11. doi: 10.1016/j. ecns.2013.04.001
National League for Nursing. (2016). NLN research priorities in nursing education: 2016-2019. Recuperado de http:// www.nln.org/docs/default-source/professional-development- programs/nln-research-priorities-in-nursing-education-single-pages.pdf?sfvrsn=2
Ordem dos Enfermeiros. (2007). Enfermagem portuguesa:Implicações na adequação ao processo de Bolonha no actual quadro regulamentar. Recuperado de http://www.ordemenfermeiros.pt/documentosoficiais/Documents/2007_EnfermagemPortuguesa_Processo_Bolonha.pdf
Shapira-Lishchinsky, O. (2014). Simulations in nursing practice: Toward authentic leadership. Journal of Nursing Management, 22(1), 60-69. doi: 10.1111/j.1365-2834.2012.01426.x
Uva, A., & Sousa, P. (Coords.). (2011). Segurança do doente:Eventos adversos em hospitais portugueses: Estudo piloto de incidência, impacte e evitabilidade. Lisboa, Portugal: Escola Nacional de Saúde Pública.
World Health Organization. (2009). Global standards for the initial education of professional nurses and midwives. Recuperado de http://whqlibdoc.who.int/hq/2009/WHO_HRH_HPN_08.6_eng.pdf?ua=1
World Health Organization. (2013). Transforming and scaling up health professionals’ education and training: World Health Organization guidelines 2013. Recuperado de http://whoeducationguidelines.org/sites/default/files/ uploads/WHO_EduGuidelines_20131202_web.pdf
World Health Organization. (2015). Patient safety. Recuperado de http://www.who.int/topics/patient_safety/en/

Texto integral
Total: 0 registo(s)
REF_Mar2017_155to162_port.pdf
REF_Mar2017_155to162_eng.pdf


[ Detalhes da edição ]