Websites | Serviços | Webmail | Ferramentas | Área reservada

Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional
Nome da revista:  Revista de Enfermagem Referência Iª Série
Edição:  3
Data da edição:  1999-11-01
Comentários:  Revista de Educação e Formação em Enfermagem
Editorial:  De acordo com o compromisso anunciado no Editorial do número anterior, na elaboração desta revista demos prioridade às propostas de artigos versando a problemática da saúde e assistência à pessoa idosa. Mas, como se pode verificar, o número de artigos que publicamos sobre esta temática não é tão vasto quanto seria de desejar.
A principal razão desta escassez prende-se com a quantidade reduzida de propostas apresentadas para apreciação pela Comissão Cientifica, extensiva às demais áreas e formas de publicação para as quais a REFERÊNCIA se vocaciona, de modo a constituir um espaço de análise, discussão e divulgação de saberes e experiências relevantes para a Enfermagem.
Dialogando com potenciais autores, fica a impressão de que um dos motivos, porventura o mais forte, para não apresentarem propostas de artigos para publicação resulta daquilo a que se poderá chamar "aversão à crítica". É por isso que me atrevo a ocupar este espaço com uma reflexão:
EM DEFESA DA CRÍTICA
Uma revista científica é um espaço comunitário de veiculação de ideias, opiniões e saberes. Naturalmente, pretende ser um espaço de discussão, de confronto criativo e construtivo de perspectivas e de experiências.
Apresentar uma proposta de publicação é oferecer à comunidade uma obra que até então só existe para o autor. É pela crítica que se processa a apropriação social dessa obra. A apreciação pela Comissão Cientifica da Revista, a cujos membros, em primeiro lugar, cabe esse papel, constitui o primeiro acto dessa apropriação, e a sua aceitação para publicação representa uma fiança institucional e plural à comunidade de leitores, a quem caberá a última palavra.
Isto parece óbvio e em princípio, não levanta problemas.
A polémica surge quando se considera os efeitos da crítica: se é uma "critica construtiva" ou se é uma "critica destrutiva". Não se pode negar que toda a crítica é desconstrutiva, no sentido em que lhe cabe fazer uma apreciação analítica criteriosa de uma obra já construída, expondo imperfeições de forma e/ou fragilidades de conteúdo (evidentemente, pode-se pôr em causa a validade dos critérios e o rigor da sua aplicação!). É aqui que se encontra o busílis da questão: quanto mais inovadora é uma obra, maior o risco de discrepância com os critérios objectivos e/ou subjectivos de quem a aprecia e, é claro, qualquer apreciação critica não pode ser reticente, correndo o risco de abjurar do seu papel.
Ora, considerando que as pessoas, de algum modo, se vêem projectadas nas suas realizações, compreende-se a natural susceptibilidade à crítica, cujo carácter desconstrutivo e explícito é inevitavelmente gerador de algum desconforto. É a maneira como o autor gere este desconforto que se torna determinante: pode motivá-lo a rever (não quero dizer refazer, obrigatoriamente) a sua obra—efeito construtivo — ou a pô-la de parte ou a protelar o esforço criativo — efeito destrutivo.
Deste modo, em última análise, é o autor que transforma a crítica em construtiva ou destrutiva. A obra é sua, e se verdadeiramente acredita no seu valor, vai para a frente, apresenta-a a julgamento, aperfeiçoa-a, se considerar necessário; ou desiste, podendo justificar-se com a critica.
Em suma, a crítica deve ser entendida como uma exigência do desenvolvimento científico, num esforço continuado de aperfeiçoamento da obra humana, enquanto construção colectiva (nesse sentido, é sempre construtiva). Só quem não apresenta trabalho poderá estar livre da crítica e, sem crítica, qualquer obra não passa de um objecto de idiolatria; não criticar traduz a incapacidade de apropriação da oferta, que é a apresentação de uma obra. ou a adopção de uma atitude de conformismo (ingénuo ou estratégico) que não se coaduna com os princípios da uma comunidade científica a que reivindicamos pertencer.

Manuel Gonçalves Henriques Gameiro
Coordenador da Comissão Redactorial

Ficha técnica:  Ver ficha técnica

Secção Artigo
Total: 9 registo(s)
Acessibilidade/Utilização do Serviço de Urgências do Hospital Pediátrico de Coimbra
Elsa Maria de Oliveira Pinheiro Melo - Enfermeira em exercício docente na Escola Superior de Enfermagem Dr. Ângelo da Fonseca
As Competências dos Enfermeiros e as Práticas de Enfermagem: Contributos para a mudança
Carminda do Espírito Santo - Professora Coordenadora da Escola Superior de Enfermagem Dr. Ângelo da Fonseca
Condicionantes Sociológicas na Integração do Idoso nos Lares da 3ª Idade: Breves Considerações
Maria Margarida Madeira - Assistente do 2º triénio da Escola Superior de Enfermagem Dr. Ângelo da Fonseca
Crenças dos Enfermeiros Acerca do Envelhecimento Humano
Maria de Lurdes Ferreira de Almeida - Professora Adjunta da Escola Superior de Enfermagem Dr. Ângelo da Fonseca
Locus de Controlo e Toxicodependência
João Carlos da Silva Pereira - Enfermeiro, requisitado na Escola Superior de Enfermagem Dr. Ângelo da Fonseca
Necessidades de Informação, Educação e Apoio nos Cuidados a Idosos Dependentes
Ascensão Calvário - Professora Coordenadora da Escola Superior de Enfermagem Dr. Ângelo da Fonseca Irma Brito - Professora Adjunta da Escola Superior de Enfermagem Dr. Ângelo da Fonseca Luisa Brito - Professora Adjunta da Escola Superior de Enfermagem Dr. Ângelo da Fonseca
Os cuidados de Enfermagem na Perspectiva do Utente Hospitalizado
Maria Isabel Dias Marques - Assistente do 2º Triénio da Escola Superior de Enfermagem Dr. Ângelo da Fonseca
Qualidade de Vida do Idoso
José António de Jesus Coimbra - Enfermeiro no Centro de Saúde de Arganil, Diploma de Estudos Superiores Especializados em Enfermagem na Comunidade. Irma da Silva Brito - Professora Adjunta da Escola Superior de Enfermagem Dr. Ângelo da Fonseca
Qualidade de Vida do Indivíduo Após Enfarte Agudo do Miocárdio
João José Capinha da Cruz - Enfermeiro de Nível I nos Hospitais da Universidade de Coimbra

Secção Fichas Técnicas
Total: 2 registo(s)
Cuidados Básicos de Enfermagem à Puérpera
Cândida Portelinha - Professora Adjunta da Escola Superior de Enfermagem Dr. Ângelo da Fonseca
Fichas de Trabalho no Ensino Teórico-Prático: Exemplo de Utilização na Formação Especializada em Enfermagem Pediátrica
Ananda Fernandes - Professora Adjunta da Escola Superior de Enfermagem Dr. Ângelo da Fonseca

Secção Divulgação
Total: 1 registo(s)
Homeopatia: Uma Terapêutica Não Convencional
Fátima Luzio - Professora Adjunta da Escola Superior de Enfermagem Dr. Ângelo da Fonseca Carlos Ferreira - Professor Adjunto da Escola Superior de Enfermagem Dr. Ângelo da Fonseca

Secção Apontamentos... Para a história
Total: 1 registo(s)
O Cuidar na Obra da Rainha Santa Isabel
Nídia Salgueiro - Professora aposentada da Escola Superior de Enfermagem Dr. Ângelo da Fonseca



[ Voltar ]